31.3.15

Entretanto o mundo gira.


Uma miúda tira selfies ao pé de um escorrega. De telefone em punho, com centenas de putos a correr e a fintá-la, ela calmamente faz boquinhas para o telefone em riste.

Uma mulher com idade para ter juízo tira selfies parada no semáforo. Mete o cabelo de lado, faz a boquinha, indecisa faz para a esquerda, depois para a direita, faz bocarra, opta por boquinha semi aberta, em charrogo. Cabeça de lado, sol de chapa na cara, bocarra e aquele ar de felicidade selfiana com cruzamento de asno. Um mimo está coisa de tirarmos selfies sem darmos conta das figurinhas que fazemos.

Alguém saca de um pau de selfie, espeta aquela cena, quase vaza os olhos de quem está à volta, e sai triunfante com mais uma foto sua e do pau. Selfies e paus.

Entretanto o mundo gira.

Uma mãe diz para a outra que o gajo mamava tanto que era quase um animal, aquele gajo. Assim mesmo, “gajo”, que é o melhor para se chamar a um puto mamão e gritá-lo aos sete ventos rodeada de gente. O gajo mamava, pá, tanto tanto.

A menina das senhas do ginásio insiste, diariamente, perante os meus educados “Boa tarde, eu queria…”, na piadinha Aurélio, empregado de mesa, a tão aureliana “Queria? Já não quer?”. E colmata com um sorrisinho… só me lembro que os paus de selfie podem ter muita utilidade para além das selfies.

Um tipo hesita avançar com o carro, olha, dá por um sorriso meu, que embrenhada em pensamentos sorrio por ter comprado uma pechincha, e decide avançar lentamente, olhando-me de lado, sorrindo de volta, com um boné e um garfo bem engolido que lhe dá aquele ar de sapo empertigado, e lança-me um olhar de matador. Valeu pela gargalhada que soltei logo de manhã em primeira segunda feira com uma hora a menos.

Entretanto o mundo gira.

Uma velhota tenta passar-me um saco de plástico na fila do supermercado. Diz-me que tem sacos de plástico até ao fim da vida e daí em diante. Porque ela fez o que todos devíamos ter feito, um saco de sacos, assim bem dobradinhos em triângulo. E eu se quiser é só pedir. Ainda há gente boa neste mundo, menina., mas está tudo perdido. Não quer? Está à vontade.

Um anúncio no OLX que vende sacos de plástico vintage, tem os melhores, continente, pingo doce. Raríssimos e muito cobiçados desde 15 de Fevereiro. E eu fico a achar que o melhor da vida é sem dúvida um sentido de humor apurado e partilhado.

Entretanto o mundo gira.

Um tipo  ao telefone tenta estacionar o carro. Manobra para cá. Manobra para lá. Eu à espera. Vá manobra. Nada. Entra, sai. Sai, entra. Numa nesga tento passar e sou brindada com um grande e sonoro - DASSSSSE, ESPERA, TEM CALMA ÓOOO - finta-me uma última vez e arranca. E eu, de sorriso de orelha a orelha ganho um super lugar num bairro tão difícil para estacionar. E depois as mulheres é que não sei quê, pois está muito bem e muito obrigada ao jeitoso do volante a quem desejo muitos paus de selfies.

Entretanto o mundo gira.

E é isto. Um fartote.

Boa semana, pessoas do fixe e do tá-se bem!