30.12.13

Aqui vai disto. 2014.

Para ser perfeito eu devia estar à beira, mesmo à beirinha de uma prancha de saltos. Um passo em frente, 4 mortais no ar e entrar na água com o mergulho perfeito!

Depois aquela sensação de ir ao fundo, bem ao fundo. No fundo dar uma cambalhota, esticar bem o corpo, dar balanço e deslizar até à tona.

Na tona a nossa cabeça triunfante e o ar todo inspirado de uma vez só, um impulso fresco por todos os poros e as braçadas tão vigorosas que quase nos podemos sentir a abraçar a água.

E nisto aí está 2014.

Recordo-me de sentir nas entranhas a sensação estranha de fazer contas e aperceber-me que em 2000, nessa passagem de ano mítica, teria 23 anos. Lembro-me de sentir medo por estar a chegar a uma idade tão crescida. Lembro-me de achar que por essa altura seria já demasiado velha.

Não gosto especialmente desta altura do ano. É sempre nesta altura que me engano, que mais me prometo isto e aquilo e oiço-me repetir demasiadas promessas que, no fundo sei que não vou cumprir. É sempre nesta altura que apetece dizer-me. “E se fosses à bardamerda, Julieta?”

Uns dirão que estou a ser demasiado dura. Outros, que sou demente e devia era estar calada.
Se querem que vos diga estou-me nas tintas. Esta sou eu.

Vai fazer 7 anos que soube estar grávida. Vai fazer 7 anos que planeámos e concebemos a nossa primeira filha. Vai fazer 7 anos que eu mergulhei numa depressão nunca diagnosticada por um profissional, mas sentida por mim todos os dias, a todas as horas. Adoro as minhas filhas. Faria tudo igual. Teria cada uma na mesma altura. A idade era certa. O momento era certo. Eu é que não estava de modo algum preparada.
Eu, que sempre me enganei a cada novo ano. Eu que sempre me prometi e não cumpri. Eu que ainda tinha tanto por resolver comigo tinha agora a maior das responsabilidades.

Cumpri tudo. Cumpro. Fiz tudo. Faço. Estou sempre lá. A minha cabeça é que não. Essa está algures entre um ano e outro a prometer-me coisas e numa batalha por não as cumprir. Sempre a desejar. Mais. Mais perfeito. Melhor. Nunca a valorizar o menos, o não tão perfeito. O real. Aquilo que é.

Agora chegada ao final deste ano, com quilos a mais, com coisas por fazer, por dizer, com uma lista infindável de desejos que vou assumir com mais coragem, olho-me ao espelho e pergunto: “ E se fosses à bardamerda, Julieta?”

É por isso que agora que já penso em mergulhos, que agora que já sinto a água mais fresca, agora que dei algumas braçadas, decido ir mesmo à bardamerda. De mão dada comigo, porque eu vou estar cá sempre, portanto o melhor é aproveitar-me. Nova ou velha. Esta sou eu.

Aqui vai disto. Vou então à bardamerda. Com tudo incluído. E no caminho vou ver que isto de cá estar é que interessa. E quem cá está é que vale a pena. E que os mergulhos podem ser muito divertidos. E frescos. E revigorantes. E a cada cambalhota um impulso para avançar.

E sabem pessoas, talvez a bardamerda nem seja tão má como isso, ou tão perfeita, mas com certeza valerá por tudo e por todos. Especialmente por mim.

2014. Aqui vou eu. Comigo e com os meus. Comigo e com vocês. Inspira. Expira.

Bora à bardamerda gente?

Bom Ano Novo!



19.12.13

A casinha.

Encontrei. Tão linda, tão velhinha, recheada de histórias, e ainda com tanto para contar.
Agora resta concentrar-me e perceber que não é (só) minha!

18.12.13

Julieta Natalina

E quando eu me fixo numa ideia? 

Olhem que se me faltava o espirito natalício agora chegou, ó se chegou!

Opá gente estou a enlouquecer! 

Então que eu tenho um sonho de criança, uma casa de bonecas, e tenho também um sonho de arquitecta, construir uma casa de bonecas. Neste natal decidi oferecer a pequenos diabretes uma casa de bonecas. Encontrei uma LINDA à venda, velhinha, mesmo a minha cara, ah, a cara das minhas filhas, pronto, okai, a minha cara! Mas a dona desistiu da venda... fez ela muito bem, era de facto amorosa. Agora estou aqui num dilema. Eu sei onde comprar uma casa de bonecas, nova a estrear, mas se eu conseguisse encontrar outra velhota eu ficava tão, mas tão feliz! Onde minha gente, onde? É que toda eu sou a personificação do Murphy, mal eu pague uma casinha, nova a estrear, vou esbarrar numa velhinha e depois é tarde! Não tenho dinheiro para duas.

Portanto, estou nisto! 

Quando era miúda uma amiga tinha uma casa de bonecas, ainda hoje babo por aquela casinha. Era tão linda.

E vocês minhas pessoas que sonho têm de criança? 

Bons sonhos, gente! E bons preparativos natalícios!





The World`s Best Photos of 70s and Lundby

16.12.13

Momento “Estás a pagar em dobro todas as que fizeste quando tinhas a mesma idade!”

No sábado, uma senhora passa por nós.

- Olá! És uma velhota?
- Olá minha querida… o quê?
- Vais assim porquê? És uma velhota?
- Ó minha querida, eu não sei quem é a Verita…
- És uma velha?
- A Vera? Eu não percebo o que tu dizes…

Mercês! Ó Mercês deixa a senhora… desculpe ela ainda fala muito mal… não se percebe nada…

- És uma velha? Gorda? És gorda? Ó gorda!

Tivesse eu um buraco… bem fuuuuundo!

No Centro Comercial do Campo Grande passa por nós uma senhora vestida de Sevilhana:

- Olha esta! Onde vais tão linda?

Mercês!

Na porta do nosso prédio passa uma senhora com uma camisola com uma grande estrela.

- E essa camisola?
- Ai que querida, tens uma igual?
- Essa é minha!

Mercês! Larga a senhora! Deixa a camisola da Senhora! Desculpe!

Passa por nós uma senhora toda aperaltada, já entradota, mas ainda muito jeitosa.

- Olha esta avó! Ó avó! Ó avozinha!

Os olhos da senhora trucidaram-na…

Mereço? Podem ter a certeza que sim! Há muitos anos uma senhora queixava-se que estava muito mal da cabeça, cansada e mais não sei quê… eu do alto dos meus 6 anos disse-lhe muito calmamente: “ O melhor para isso é o Júlio de Matos! Andam lá muitas pessoas doentes da cabeça! Eu sei porque a minha irmã é médica!” Ainda hoje a oiço: “És muito malcriada! E malvada!”

Portanto, mereço! E farto-me de rir... isso elas ainda não sabem, que tenho que manter a pose e educá-las... mas encho a barriga!

Boa semana, gente!E barrigadas de riso para vocês também!




4.12.13

Segunda-feira

Antes… antes do enrolanço com o marido, antes de a minha barriga crescer, antes de ter saído de lá a primeira criança, antes de me ter enrolado de novo com o marido, antes de a minha barriga ter crescido pela segunda vez, antes de me ter saído outra criança de dentro… Antes, quando eu ainda não tinha dado o salto para o lado de cá da barricada (NÃO FINJAMOS CAROS E CARAS, ISTO É UMA BATALHA! E todas temos uma padeira cá dentro, de pá na mão pronta a arregaçar as mangas e levar estes miúdos e miúdas a eito até à idade adulta! Sem baixas nem consultas vitalícias na psiquiatria!) eu não gostava de segundas-feiras!

Sobretudo, estas segundas-feiras geladas!

Agora, depois do antes, as segundas-feiras são uma bênção do Universo, do Buda ao Jesus, de Alá às Deusas do Olimpo, das energias ing e iang e fung e fing [para mim soa tudo ao mesmo, basta estar ranhosa para conseguir pronunciar todos esses nomes da paz, fung (de funga!) ing (de espirro entalado!]. Portanto obrigada aos altivos e omnipresentes deste e do outro mundo!

O fim-de-semana é qualquer coisa de explosivo. Quanto pode um cérebro de mãe aguentar sem explodir ou fritar, TSSSSSSSSSSSSSSSsssssssSSSSSSSssss CABRruuuuUUUUM?

 Parte 1 - Touca de natação desaparecida em combate desde sábado passado ou fato de banho em parte desconhecida a 10 minutos do início da bendita aula de natação!

Parte 2 – Começa a caminhada, QUE DURA TODO O Fim-de-semana! T.O.D.O! A caminhada por cima de brasas, vulgo, brinquedos espalhados. CADA PASSO, CADA BERRO! “Apanheeeeem já, JÁ IMEDIATAMENTE, estes brinquedos do chão!”

Parte 3 – A frase de cima vai ser berrada e coreografada com muito esbracejar paternal e maternal ao loooooooongo de T.O.D.O o fim-de-semana!

Parte 4 – Vai fazer os trabalhos de casa!

Parte 5 – Toda a família mobilizada para o sucesso dos trabalhos de casa, o que inclui afastar a irmã mais nova, criando um perímetro de segurança à volta da estudante e dos cadernos tão apetecíveis para irmãs de 3 anos!

Parte 6 – Pensar em sair de casa! Pensar em entrar no carro! Pensar onde ir! (Onde vamos? Não sei! Nunca sabes! Sou sempre eu que dou ideias! Não és nada! Vamos onde? Diz tu! Não diz tu! Opá sei lá, onde quiseres! E se fossemos ali? Outra vez? Então não sei! Já dei uma sugestão! Se não queres então diz tu! Não digo nada! Quero lá saber! Daqui a bocado não vamos é a lado nenhum! Então não vamos! É sempre a mesma coisa!)

Parte 7 – Começamos a sonhar com a segunda-feira!

Parte 8 – Entrar numa loja, cada criança para seu lado! (Vem cá! Onde é que elas ESTÃO? 
Rosarinhoooooo! MercêEEEEEEEEEeeeeeeS! ONDE É QUE ELAS ESTãooooooOOOOO?) tentar justificar o injustificável quando as pessoas da loja e os outros clientes nos veem tirar uma criança das prateleiras, como já aconteceu no AKI ou desencaracolar uma criança da alça de uma mala, esperneante e a fazer “A BIRRA”, por causa de um gancho cor-de-rosa perante o olhar incrédulo da funcionária como aconteceu este sábado no chiado. UM MIMO! AMOROSAS!

Parte 9 – Desejar ardentemente a segunda-feira quando damos por nós a mediar a “terceira grande guerra” com direito a puxões de cabelo e empurrões!

Parte 10 – Já só vislumbramos, nos vislumbramos à porta do colégio, a entregar doces crianças nas mãos dessa gente, PROPRIETÁRIAS LEGITIMAS DO CÉU, À CONTA DA PROFISSÃO QUE ESCOLHERAM! PROFESSORAS E AUXILIARES aleluia, aleluia, glória a vós minhas senhoras!

Parte 11 – Ó mãeeee! Ó mãe! Mãaaaiiiiiiiié! Mãe! Mãaaaaaaaaae! Mamamamamamaãeeee!

Parte 12 – Ó paaaaaaaaaaaaaaaaai! Paaaaaaié! Pai! Papapapapapapapaiiiiiiié!

Parte 13 – Não é JUSTO! Ó Mãe olha ela!

Parte 14 – Onde é que elas estão? ONDE é que se enfiaram, olha aí, toma conta, não tires os olhos de cima delas, isto está cheio de gente, vê lá! Vê lá bem!

Parte 15 – Que horas são? 14:25…

Parte 16 - AINDA?

Parte 17 - E hoje AINDA É SABADO!

Parte 18 – Normalmente às 17:00 de sábado o nosso cérebro estruge, e ainda falta domingo… Tsssssssssssssssss!

Antes eu não gostava de segundas-feiras, agora as segundas-feiras são dias leves, dias de sossego, PEACE and LOVE, fing iang e iung fing, perninhas à chinês e saborear a raspa da massa do pão-de-ló, nutella e nuvens, nuvens percorridas com meias de lã!

Pelo menos entre as 09 e as 19.

E depois chega a terça-feira e esquecemos tudo e damos por nós a desejar o fim-de-semana… e sabemos que o salto está dado, não à volta a dar! É agarrar na pá e arregaçar as mangas e partir para a batalha!
Que isto de levar crianças a bom porto é lixado pá! Muito bom, de facto, que não há melhor que pequenas pessoas, coisas mai fofas de suas mãeeeeeiés e paiiiiiiiiis, que só nos fazem querer um mundo melhor, cheio de segundas-feiras, fresquinhas e tão leves! Benza-as Deus!

Boa semana gente!