18.3.14

Ah e coiso!

Ah e coiso estás uma chata com estas cenas, ah e coiso afinal corres na passadeira, ah e coiso deu-te para as mistelas, ah e coiso e coiso e ah.

Pois está muito bem.

Aquilo que eu vos digo é que é lixado decidir levantar o rabo do sofá. Eu sou a texuga que prefere mil vezes estar esparramada e de pernas para o ar, naquela de ajudar a circulação, e relaxar no modo badocha que me caracterizou durante algum tempo. Não fui sempre assim. Tornei-me assim porque é muito mais fácil.

Pois eu agora não quero continuar assim. E é lixado.

É lixado quando chego à grande porra da passadeira e quero bater records pessoais.

É lixado estar para ali a correr e não ter com que me entreter, por mais música que oiça. Uau! Uau! Um dia que eu goste disto até me vou surpreender, por agora ainda é uma treta que tem que ser feita. Porque eu decidi assim.

Aquela voz ainda me persegue:” Pára gorda, vais ser sempre gorda, pára texuga, olha que morres e se não morreres vais cair e partir  toda a dentição frontal e ser cuspida em alta velocidade da merda desta passadeira, corre gorda, corre, vai-te dar a fome a seguir, badocha, vai mas é para o sofá que lá é que se está bem… e ó bla di ó bla dá life goes on shalálálá!”

Shalálálálá! Pois era.

Não vai ser mais.

Hoje foi especialmente difícil fazer a corrida.

Como corro na passadeira (ÚUUUuuuuuuUUUUUUUuuu grande fraude que sou, a sério é na rua e tal, lá chegarei, ainda não é a minha altura, desculpem os verdadeiros corredores!) tento estar desatenta ao que se passa à minha volta e concentrar-me.

- Concentra-te Julieta, vai valer a pena, go girl, dá-lhe forte miúda… ai o que é aquilo? Opá porra não olhes não olhes…

Um tipo, feito perua em cima da passadeira, com calções à Jane Fonda, curtos e muito eighties, desliza para fora da passadeira em altíssimo estilo, e de costas, zuuuum, para fora da passadeira, de COSTAS, saltinho para o chão, rabo entesado e lá vai ele para os pesos e alteres.

Ao meu lado uma super magra, com tudo no sítio, corredora de fundo, transpira como se ali estivesse há 2 horas, com uma expressão de quem começou apenas há 2 segundos.

Um tipo cheio de músculos (fraca figura a meu ver, porque parecem sempre uns sapos… enfim!) corre e corre e corre sempre com cara de esplanada e pôr-do-sol.

Não é fácil. Não é nada fácil quando nascemos com um bom par de mamas, que não encaixa nos soutiens chineses que se vendem por todo o lado, até nas melhores lojas, e foram feitos para mamas chinesas… as minhas são latinas e como tal corre-lhes o sangue nas guelras. Acima, abaixo, acima, abaixo….

MANSAAAAAAAAAAAAAAS, MANSAS, pá! Acima, abaixo, acima, abaixo!

E a minha barriga ainda cá está e faz-se notar, acima, abaixo, acima, abaixo…

Maaaaaansaaaas, MANSAS pá!

Resumindo a cena. Eu o ano passado não fui à praia ao fim-de-semana porque estava gorda. No ano passado eu só fui à praia nas férias porque teve mesmo que ser.  Fechei-me em casa, enquanto o Gil e as miúdas íam sem mim.

Este ano eu quero ir à praia, com as minhas mamas e a minha barriga mais definidas e menos inchadas. Por isso decidi começar a correr e a comer melhor.

Quem me quiser acompanhar é mais do que bem-vindo, será também a minha inspiração.

A Julieta Emília com todos os seus defeitos e virtudes vai continuar por aqui, ó se vai, isto já não tem cura, já os quilos a mais esses vão, e à boa maneira que vos habituei, bardamerda!

Foda-se se vão ou eu não me chamo Julieta Emília! Ó se vão!

Boa semana, gente!


(Tudo aqui dito vale também para as magras, apesar de tudo tenho sentimentos para com esses espécimes dos infernos, esses pesadelos, amorosas…  ainda assim pfffffffffffff também precisam de exercício… vá magras, bora nessa, também são bem-vindas, miúdas!)

Minha gente!

Podiam não me ter ligado nenhuma.

Eu podia ter influenciado apenas uma pessoa.

Agora já tenho várias amigas a postarem fotos de Smoothies maravilhosos! 

Podia ficar feliz por as ter influenciado, mas o que eu quero é agradecer-lhes por se tornarem uma inspiração para mim, e dizer-lhes que nem imaginam a força que isso me dá, obrigada miúdas! 


Here we go! No excuses!

Não é tão fixe?

Quem se junta?

O Verão que nos aguarde.

17.3.14

A coisa está a dar-se, sem milagres ou bora lá, motivar-nos.

Então que lá passou o fim-de-semana.

E não julguem que foi um fim-de-semana em modo “mete-nojo” e “ai que eu agora sou tão saudável”. Nada disso.

No sábado tive direito a pizza das boas e um bom vinho tinto. Comi tudo sem remorsos.

No domingo fui ao treino de super-herói ao peito e consegui a fantástica proeza de correr 4.15km. Logo eu, que sempre pensei que nem 1km seguido era capaz.

Foi uma semana de vitórias. Cheguei aos 2.75km e já me estava a ver à rasca para conseguir os 3km. Depois quando atingi os 3km no domingo, DECIDI, continuar, atentem, DECIDI, ninguém me disse, ninguém me obrigou, nem mesmo eu. Decidi e corri. Fiquei tão contente, que quem olhasse para mim com atenção, ía reparar que eu estava a dançar na passadeira.

Eu estou decidida a treinar mais e a comer melhor. Estou também decidida a não abdicar das coisas que me sabem bem. Estou é a tentar criar novas rotinas. 6 dias de cuidados e maior atenção ao que como e 1 dia de recompensa e maior descontracção pelo esforço. O normal e o que toda a gente apregoa.

Parece tão fácil, e, no entanto, é tão difícil.

Eu também quero, a cada sumo de frutas e vegetais, que o milagre se dê. Que eu vá ao espelho e: “Aleeeeeeeeeeeluuuuuuuuuuuuuuia!” Não vai acontecer.

Eu também quero, a cada ida ao ginásio, mingar e “desvolumar” em minutos. Não vai acontecer.
Miúdas, pá! Todas queremos o mesmo. Então bora fazer, bora pelo menos tentar!

E em vez de olharmos umas para as outras e quase nos comermos vivas, ai porque és mais gira que eu! Ai magra de um raio! Ai gorda e gira, grande parva! Olha o cabelo daquela! Tem a mania, mas tem o rabo gordo! E mimimimimimimimimi…

Ó miúdas pá! Vamos mas é fazer um festim e partilhar a refeição!

Esperem lá, também não sou santa e não sou da paz e não vou passar a dar abraços a quem comigo se cruze e ficar para ali agarrada às pessoas com as palmas das mãos bem abertas nas costas dos outros a espalhar energias positivas, não!

Não há milagres, lembram-se?

Só que há um motivo comum e há também uma vontade que é de todas nós, ser giras no verão, e já agora no inverno e na primavera e no outono, mais não seja para nos alambazarmos no natal.
Então que me dizem? Bora nessa? Vá, miúdas!

É que já não há pachorra para tanta inveja do rabo das outras quando o nosso está espalmado na cadeira, enterrado na fossa dos dias, quando podia muito bem estar a fazer por ser mais giro e empinado!

Bora lá, miúdas! No excuses!

Boa semana!










13.3.14

Vá tudo a fazer batidos verdes logo de manhã!

Ninguém me atura. Estou que não posso.
Gente, vá bora lá.

- Ai não tenho tempo.

Eu também não.
E as manhãs estão iguais.
Muita gente aos berros, gatos a miar, roupa da ginástica que desaparece, camisas impossivelmente amarrotadas que têm que ser passadas, mãe a fritar, pai a endoidecer, filhas na boa, gatos a espreguiçarem-se, sapatos, escovas de dentes, iogurtes e copos de leite, muitos ai ai ai, e chata és uma chata, rápido, despachem-se...

Gente, bora lá!

Compram bananas, descascam logo 4 e congelam. Sugiro que as cortem em pedaços (lembrei-me disto agora! genial, menos 1 minuto a partir banana congelada! Surpreendo-me... não sei se pela burrice se pela esperteza tardia...)
Compram daqueles sacos com Espinafres já lavados e cortados.
Quando prepararem o jantar podem preparar uma mão cheia de morangos, e quando digo preparar é agarrar nos morangos lavá-los debaixo da torneira e tirar-lhes o talo. Reservam no frigorífico (RESERVAM, estou uma croma!).

E de manhã, no meio do caos, libertam stress a atirar com tudo para dentro da liquidificadora. Aiiiiiiiiiiiiii vai bananaaaaaaaaaaa, go espinafres, go espinafres, lançaaaaaaaaaaa morangos!

Juntam leite de arroz, ou de aveia, ou de espelta, SEM MEDOS, não sabem a nada, é a vantagem, e 1 iogurte natural (Cá nada de soja que isso é mito!)

Umas sementes de chia (CARAS COMÓ RAIO, mas um pacote dura e dura!) e outras sementes que entretanto vão descobrindo como sementes de canhâmo (CARAS COMÓ RAIO, mas um pacote dura e dura!) ou as mil opções que há no celeiro, no supermercado, na ervanária ou na farmácia (CARAS COMÓ RAIO, mas um pacote dura e dura!)

Et voilá!

Enquanto a casa vai abaixo porque alguém não quer lavar os dentes, ou alguém ainda boceja enquanto o pai grita que está atrasado e que isto assim não dá, o vosso GREENSMOOTHIE processa-se na liquidificadora! VRUuuuuuUUUUUUuuM VRUUUUM!

Hoje o Gil disse: "Já se nota!"

Não se nota nada, mas só poder vir a notar-se vale o esforço, e aqui para nós, não é esforço nenhum porque a coisa sabe mesmo bem.

Bora lá gente! Vai bananaaaaaaaaaaaa! Vem bikini! Vaiiiiiiiiiii morangooooooooo! Vem bikini! Chia, chia, chia! Deixa passar o espinafreeeeeeeeeeeees! VruuuuUUUUUUUUUUuuum

Quem se junta a mim? Quero ver fotografias e partilhar receitas!

Bora, gente!

12.3.14

500 metros + 2,750 metros ou 0,5 km + 2,75 km ou Eu vou conseguir.

Consegui. Hoje foi especialmente difícil.

Não aqueci como devia e da primeira tentativa corri apenas 500 metros seguidos.

Depois andei depressa outros 500 metros, sempre a achar que hoje não era o dia.

Depois lembrei-me de todos os outros dias em que não era o dia, em que não me apetecia, em que a roupa da ginástica estava por lavar, em que tinha uma dor... de coisa nenhuma, em que estava com o período, em que estava adoentada, em que me doía a cabeça, tinha sono, estava cansada, não me apetecia, não me apetecia...

E retomei a corrida.

Pensei: Ao menos 1 km, um chega, por hoje.
Cheguei a 1 km e verifiquei: Estou à beira do colapso? Não. Estou quase a desmaiar? Não. Dói muito? Não tanto. Aguento? Sim!

Cheguei aos 2 km e comecei a sentir o dever cumprido. Mais um bocadinho, então, ainda aguento.

Alcancei os 2,75 km e foi uma vitória! IuuuuUUUUUUUuupi! Consegui!

Isto vai ser lixado. Eu vou passar as passinhas do Algarve. Mas sendo algarvia isso também não é desculpa. Portanto... NO EXCUSES!

Ai gente, caramba, isto é duro! Mais duro ainda é quando me coloco de frente para o espelho, um que tenho de corpo inteiro, como vim ao mundo, e olho para as refegas, as mesmas que me fazem sentir mal, despida ou vestida.

De frente para aquele espelho não há que enganar. A culpa é minha. A solução vai ter que ser minha.

Eu não sou obesa. Nunca fui. Sou baixinha. Qualquer quilo marca bem a sua presença. E agora são 12kg a mais. Contra factos... 12 quilos a mais! DOZE! Que vão ter que desaparecer. Da melhor maneira. Sem parvoíces de dietas impossíveis.

Tirei uma fotografia há 1 semana, calma calma, uma fotografia decente.
Todas as semanas vou tirar uma fotografia.
O meu objectivo? Postar essas fotografias aqui.
Isso só vai acontecer quando eu perder os 12kg, mas vai ser a minha motivação e a minha promessa.

Vai ser duro!
Por hoje consegui!

Boa semana de sol, minha gente!

11.3.14

A adolescência aos 6 anos ou a minha demência aos 37 anos

- Mãe, quem fica primeiro?
- Não sei.
- Não sabes?
- Não sei. Portanto não vou dar nenhum palpite.

Isto porque na semana passada fui acusada de ser uma grande mentirosa quando lhe disse que seria a primeira a ficar na escola e afinal foi o pai quem ficou primeiro no metro.

- Mãe, diz-me lá, sou eu que vou ficar primeiro?
- Já te disse que não sei.
- Não sabes? Como não sabes? Tens que saber.
- Eu já te disse que não sei, deixa o pai chegar e ele já te diz.
- Mas se o pai ficar primeiro eu não fico primeiro e assim quem vai para a escola primeiro? Eu vou ser a primeira? Tu tens que saber! Vou ser eu?
- Já te disse que não sei, não me estejas a obrigar a dizer aquilo que tu queres ouvir.
- Eu não estou a fazer nada disso! Sua MÁ! INJUSTA! Eu nunca sou a primeira... é sempre o pai! DEIXA-me mãeeeeeeeeeeee! INJUSTA! MÁ! Mázona! BUUUuuuuUUUUUUUUUáaaaaaaaa!

Dão cabo da minha paciência, antes das 9:00 da manhã, já estou a ser acusada de injusta, má, mázona, por ter tentado evitar uma discussão que rapidamente se transforma num berreiro...

- Cala-te, não se fala assim com a mãe!
- Não me calo! NÃO ME CALO! DIZ-ME quem fica primeiro, sua máaaaaaaaaaa!

E depois chega o pai, airoso, entra no carro e do alto da sua calma ayurvédica, oooooooOOOOOOOooooom, pergunta:

- Não grites com as miúdas, tens que ter calma.

Eu? Eu tenho muita calma, muita calma até me fritarem o juízo, até me passarem com o rolo da massa, antes das 9:00 da manhã, amassarem bem o pastel de massa tenra que é o meu cérebro a essa hora. Muita calma até! Até me picarem os miolos, bem picadinhos com questões absolutamente secundárias.

- ÓOooo mãeeeeeeeee tu dissesteeeeeeeeeeeeeee, disseste siiiiiiiiiiiim!

A adolescência antes vinha mais tarde, ou estou enganada?

Arre Porra!

E a procissão ainda vai no adro.

E esta semana de sol, minha gente? Até já.

7.3.14

Vou comprar uma bata

Daquelas batas que cruzam à frente. Com florzinhas verdes e roxas pintalgadas a amarelo. Vou comprar uma bata e um par de chanatos de pele branca também modelo cruzado. Vou vestir a bata, calçar um chanato depois o outro, vou amarrar o cabelo num carrapito. Vou passar a usar um "porte-moedas" entre o cotovelo e o resto de mama que insiste em ir para o lado. Na hora do descanso vou encostar-me ao cabo da vassoura, vou olhar o sol enquanto coço a perna com o dedo grande do pé que entretanto tirei do chanato (um chanato pode ser um grande alívio quando os pêlos das pernas começam a crescer, sacode-se para o lado e temos um pé solto para mil coisas), ah que alívio, vou olhar o sol e agradecer.
É o caminho a tomar.
Hoje depois de um lindo dia de sol, em vez de pensar em areia, água salgada, dias quentes, agradeci aos céus a corda de roupa seca num instante.
Sim, vou comprar uma bata.

Motivação.

Para me convencer.

E foi assim que ontem corri 2,100 metros, ah esperem lá, dito assim parece coisa nenhuma...
E foi assim que ontem corri 2 quilometros e tal sem parar, SEGUIDOS, sem arfar por aí além e com a "perna da ciática" menos queixosa (temos fiteira!) em QUALQUER COISA como 15 minutos.

Péssimo tempo para uns, vitórias olímpicas para mim.

Na terça a coisa deu-se com 1 km INTEIRO, com mais arfanço e mais queixumes, mas sem parar, tudo seguido!

Na terça descobri o poder da competição.

Na terça ao contrário do que eu sempre pensei competi com um tipo barrigudo de bigode farfalhudo.

Eu sempre me vi uma competidora nata no dia em que uma Boazona de ginásio desse por mim na passadeira e decidisse esmagar-me ali mesmo, brilhando, Sparkling All Around, enquanto eu, de bofes de fora, correria como uma louca, na demência de não vacilar nem um segundo!

Não. Não tive direito a nenhuma espremida dos infernos.

Tive direito isso sim a um tipo barrigudo de bigode farfalhudo.

O homem estava lá para andar. Podia ter estado na sua e eu nem dava por ele.

O problema é que ele começou, assim de esguelha a olhar para o monitor da minha passadeira para ver a quantas eu ía.

O engraçadinho esqueceu-se que com tamanho carpélio no lábio superior eu iria dar pelas espreitadelas. As mulheres têm um raio de visão por demais conhecido!

Então a cada stop que o tipo subia eu ganhava força nas pernas e corria e corria, enquanto ele ainda andava. Go Julie Go Julie Go Julie!

Depois consciencializei-me do ridículo e que o homem nem devia estar a ligar-me nenhuma e corri, corri, corri o quilometro INTEIRO!

E foi assim que consegui.

Ontem a coisa deu-se porque me imaginei de bikini. E isso basta. Lembrei-me de quando fujo a sete pés só de imaginar comprar um bikini ou mesmo um fato de banho. Uso os mesmos há anos. Mamas meio tortas e as cores coçadas, tudo bem, eu num provador a experimentar bikinis, VÁ DE RETO!

Ontem deu-se um fenómeno, a meio da corrida quase pensei noutras coisas que não os meus bofes de fora, as dores nas pernas, os milésimos de segundo que não passam e as tão poucas calorias que se gastam apesar do esforço. Ontem quase me alienei do que estava a fazer, deu para perceber que se conseguir pensar em tudo menos onde estou e o que estou a fazer, temos corredora, porque o tempo passa ao dobro da velocidade.

Pessoas vai ser lixado, vai, vai ser uma grandessíssima porra, que vai e não vão haver desistências, não! Já não tenho mais desculpas, gastei-as todas!

Até porque estou a ponderar seriamente espetar com uma foto do agora numa qualquer rede social para ver se me mentalizo... não vai a bem, vai a mal!

Agora imagino o dia em que tirar a foto do depois, e motivo-me.

Bom fim de semana, queridas pessoas!

6.3.14

MayDay May Day, minha gente! MayDay

Opá pessoas, eu estou como vocês!

Eu quero sol, sol e mais sol! E diz que por estes dias vamos ter fenómenos climatéricos com dias de mais de 20graus! Está muito bem! Bem fixolas! Março Marçagão manhãs de inverno tardes de verão! Fixe, pá!

Um aparte: gente mais dada ao histerismo, por favor, P.L.E.A.S.E., não se estiquem, não vão já a correr buscar as sandálias, ainda não é tempo, é parvo, e às 17:00 estão a coser uma pneumonia.

O meu pequeno GRANDE problema prende-se com um pormenor lixado desta altura do ano, “O” DIA do ano está a chegar. O D.I.A.!

Pessoas, ainda me lembro do DIA de outros anos, eu vou sempre lembrar-me do DIA de todos os anos se não for este “O” Ano!

Estás a falar de quê, Julieta?

Pessoas, Picture This!

Eu, um lindo dia de Primavera, um convite para almoçar, um grupo de gente gira, um dia lindo de sol, restaurante à beira mar (LÓGICO!), uma decoração mesmo gira, espelhos enormes que aumentam o espaço e inundam tudo de luz, o restaurante cheio, eu distraio-me por causa de um xixi, quando regresso à mesa estão todos sentados, giros, e sobra um lugar, um maldito lugar.

EM FRENTE AO ESPELHO, MESMO DE FRENTE, onde maravilhosos raios de sol estão a bater e a inundar tudo de luz, um sol quente de início de primavera.

Eu, parva que sou, estou mais agasalhada do que devia (confesso que me custa aquela mudança de guarda-roupa, tira tudo, muda tudo, vai buscar tudo, guarda tudo…), começo a levar com os raios de sol, calor, CALOR, ai pá porra se tiro a camisola, vão ver estes meus braços branquelas, e MAYDAY MAYDAY MEUDEU MAYDAY MEUDEU, e rechonchudos, sim pá, não basta estarem brancos amarelados, estão assim texuguíssimos! MAYDAY…maaay…dayyy.

- Ó Julieta, pá, não tens calor? Estás para aí toda encasacada… tás vermelha, é da sangria? Ahahahahahahahahah! Bebe mais, pá, tás toda vermelhusca!

(Uma …usca… enfiava-te eu!)

- Ah…pois e tal… estou engripada… e coiso!

Coiso é que não fui ao ginásio, coiso é que hoje, LOGO hoje estou assim… coiso… inchada… (convence-te disso minha parva! Pois está bem… devias ter ido ao ginásio… bem te avisei…).
Vencida pelo calor, pela sangria, pelo sol, decido-me a tirar a camisola…

“O” dia. “O” dia em que vamos almoçar e estamos de frente para um espelho, INChadaS, inSuFLAdas, encolhemos a barriga, bem encolhida, esticamo-nos o mais possível, HIRTA, hIRTA! E nada, MAYDAY, MAYDAY! Quem é aquela texuga no espelho? O QUE É QUE SE PASSA COM O MEU CABELO? Maydaymayday … esse e ó esse pá… esse e ó esse… tivesses ido… texuga pá!

Nestes dias se eu pudesse almoçava com o queixo na mesa, sorvia a comida por uma palhinha, e assim nem tinha que olhar para mim lá no espelho! Assim coiso… e branca… tão branca… calificada!

E é só nos meus almoços de primavera ou a coisa dá-se em todos e lá está ela, ELA, a que foi ao ginásio, a MAGRA, a GIRA, a sempre e sempre MAGRA, a tesuda, a que tem os bíceps e os tríceps e o CAMANDRO todo no sitio? Quem é que a convidou? CAMELA! (Julieta Emília olha a inveja… C.A.M.AN.D.R.O. PÁ!)… SANTINHA DA  ELíPTICA! Bah!

E nem vale a pena dizer-vos quantas vezes MURPHYCAS se vão suceder nestes almoços e o universo vai conspirar e por tudo e por nada me vão fazer levantar da cadeira onde estou enterrada? Não vale a pena pois não?

PORTANTo minha gente este ano ainda estou, ah, ESTAMOS, a tempo da coisa se dar e não sermos nós a texuga no espelho… BORA LÁ miúdas, bora lá!

Anteontem consegui a proeza de 1KM a correr sem parar… as SANTINHAs DA  ELíPTICAs escusam de rir… 1km seguido para mim é a loucura… hoje vai ser 1km e 100m e por aí adiante…

BORA LÁ miúdas, bora lá! Olhó dia a chegar!

Vá, bons treinos miúdas!


A acompanhar blogs bonitos desde 2005

Eu também adoro blogs bonitos, eu gosto de rosa e verde menta, gosto de ver coisas bonitas e originais que me inspirem e façam pensar, me façam sonhar. Só que às vezes dou por mim tão assoberbada em coisas lindas e perfeitas... caramba serei só eu que me "imperfeito"? Bem sei que não, mas desabafar faz(nos) bem! Obrigada gente por estarem aí!

5.3.14

Afonso à La Minute


Na Lx Factory em Lisboa, Burger Factory

E agora estou para aqui arrependida de dizer asneiras.

Na maioria das vezes só penso nas asneiras, não as digo em voz alta. Suspiro-as.

Escrevo-as é muitas vezes.

Uma vez li um comentário a um dos meus desabafos que me considerava exagerada.

Exagerada.

Exagerada quando já limpei centenas de vezes a mesma coisa e tenho que engolir a milésima vez sem queixumes. E a procissão ainda vai no adro.

Exagerada quando estou cansadíssima e ainda tenho que fazer tudo o que há para fazer numa casa de quatro e mais dois gatos. Pela milésima vez.

Exagerada quando rogo, quando imploro, após já ter desistido de explicar que não se devem portar mal, e que por favor se portem bem.

Exagerada quando me distraio, por estar a fazer tarefas de casa ou qualquer coisa para o trabalho (SIM TRABALHO EM CASA! E FORA DELA!) e não reparo que entretanto dois furacões varreram a casa em menos de segundos e tudo está removido, mexido, peganhoso, atirado, pisado, desleixado. Pela milésima vez.

Exagerada quando ainda nem são 9 horas da manhã e eu já disse para irem comer, para irem lavar os dentes, para se vestirem, isto tudo sempre com a minha ajuda, sempre com a ajuda do pai, e dois sacos amorfos ficam para ali a olhar para nós sem se mexerem, ou então aos saltos, e aos gritos, como se nós nem ali estivéssemos. Todas as manhãs. Todos os dias. Todas as vezes.

Exagerada por querer que se portem bem no supermercado. Por querer que não mexam nas coisas quando vão a uma loja. Por querer que não gritem. Por querer que não se atirem para o chão. Por rogar que não desatem a correr rua fora. Que tomem atenção. Que não trepem porque podem partir os dentes. E elas trepam. Sempre.

Exagerada por sonhar com um dia de praia em que não tenha que estar constantemente de sentinela, e não é a sentinela natural de garantir que não se afogam, é a sentinela e o policiamento para que não se sujem, para que não tirem os brinquedos a outras crianças, para que não atirem areia para os estendidos ao sol, para que não pisem as toalhas dos outros. Pela milésima vez.

Exagerada porque grito.
Exagerada porque escrevo asneiras em modo desabafo.
Exagerada porque o que está a dar é aguentar e calar. E eu não aguento nem calo.
Exagerada porque dou uma palmada.
Exagerada porque grito.
Exagerada porque grito.
Exagerada porque as posso traumatizar com os meus berros e as minhas preocupações.
Exagerada por querer que me oiçam.

Exagerada.

A novidade é que vou continuar a ser exagerada. Vou continuar a gritar. Vou continuar a escrever asneiras. Sempre.

Exagerada porque acredito que todos os berros que eu der agora ecoarão um dia mais tarde e elas se farão mulheres. Às direitas.

Agora vou ali exagerar.
Boa semana, gente!

4.3.14

A missão.

Depois há aquelas pessoas, quase santas, que nasceram para educar criancinhas, que adoram criancinhas, que vibram com o pacote completo.
Gravitam em nuvens branquinhas, fofas, são sempre muito fofas, tudo é branco, tudo é amaciador da roupa, algodão e sol, sol e nuvenzinhas. Arranjos de flores rosa contra fundos verde menta.
Todos juntinhos de mãos dadas, estes santos que nasceram para ser paizinhos e mãezinhas, que caminham com pézinhos de fada.
Gente da missão.

Depois há os tipo-eu.

Que se descabelam, que gritam, que guincham, que se enervam, que perguntam o que é preciso fazer para aprender a lidar com o circo em que se enfiaram, com o circo que gerem, à conta de muito pó e lágrimas, e risos histéricos, e truques de malabarismo para não endoidecerem nem endoidecerem ninguém.
Que se perguntam onde vai isto parar.

O que raio fazem aquelas almas da missão, tipo os vizinhos de baixo, que nunca gritam, nunca se descabelam?

Onde estão as minhas nuvenzinhas, o meu algodão, as cenas fofinhas e fofíssimas?

Eu, que ontem quase ensandeci. Eu que ontem ao telefone, com quem tinha mesmo que falar, quase virei a loja do avesso para controlar duas criancinhas histéricas, ensandecidas, em nuvens sim, mas de trovoada em modo infanto-terrível!

- Julieta, dizes muitas asneiras, pá! Se calhar não devias usar tanto a palavra com ÉFE!

 - Qual, pessoa? A palavra "FODASSSSSSE" (aquela que sei que se escreve com hífen mas insisto em escrever toda pegada para que a percebas bem, pessoa?), a EFE Ó DÊ Á ESSE É? Ah sim se calhar não devia, não devia... é um ponto de vista, de facto... traz-me então a nuvenzinha onde gravitas e pode ser que eu também passe a ser 100% algodão... ou não!

Ontem vi-me ao telefone, agarrada ao braço de uma criança que insistia em passear-se pela loja com um saco que nos foram entregar, cheio de febras e arroz, que encomendei para o almoço de suas excelências.

Eu ao telefone a ouvir que ando distraída no meu trabalho, (um dos dois, que um não chega!), e que isso não pode continuar, eu com vontade de gritar e chorar, eu aflita, tão aflita, e as minhas criancinhas que deviam ser fofas, tão fofas a deitarem abaixo a loja, a fugirem pela rua fora, a atirarem com as aguarelas que horas antes tínhamos comprado na loja dos chineses:

- Ó mãeeeeeeeeeeeeeeee isto é que é a loja dos chineeeeeeeeeeeeeeeeÊS?

Assim mesmo na cara do homem. Assim mesmo eu enfiava a minha num buraco qualquer.

O saco das febras a ser sacudido pela loja, eu ao telefone, umas mãos negras de água suja de aguarela, unhas tão encardidas, negras de tinta da loja do chinês, assim mesmo, loja adentro a pingar tudo, a minha cara colada ao telefonema que não podia ser ignorado, as lágrimas a saltarem-me, as febras, eu agarrada ao braço de uma, a tentar lavar as mãos da outra, pessoas a entrar na loja a pedirem nada, "Olhe que a criança já lá vai!", as lágrimas a começarem a descer cara abaixo, as febras e as aguarelas, " A Julieta anda distraída, somos exigentes, sabe isso, não sabe?" As lágrimas...

Páaaaaaaaaaaaaaaaarem jáaaaaaaaaaaaaa!

Como é que não se grita?
Como é que se controlam os constantes desafios com os quais somos brindados a cada segundo pelas amorosas criancinhas?

Ás vezes não me apetece. Serei só eu?

Ás vezes, pessoas, a minha vontade é não gritar mais, desleixar-me, querer lá saber, querem atirar com as febras? Atirem! Be my guest! Banho de água negra de pincéis sujos? Bora lá eu mergulho também! BORA LÁ! Não comam, não tomem banho, sejam malcriadas, tirem macacos do nariz, colem-nos onde quiserem, destruam os três mil brinquedos que vos comprámos, com o dinheiro ganho no segundo trabalho, que um só não chega, sim, façam o que quiserem!

- Julieta, dizes muitas asneiras, pá! Se calhar não devias usar tanto a palavra com ÉFE!

- "FODASSSSE" se calhar tens razão! Vou pensar nisso! Hoje não me apetece!

Hoje não me apetece. Hoje quem gravita sou eu. Hoje estou tão fofa, tão fofa! São 22:34 e eu estou há meia-hora em silêncio porque as minhas filhas já estão a dormir!

Foda-sssssssssssse e sabe tão bem!

Até amanhã, gente!