29.3.13

Ó Sol!

Pois que defendo a chuva, defendo este mau tempo em época dele, prefiro que chova agora que depois, não sou de memórias curtas e prefiro estar agora em modo cinzento do que como há 2 anos em Maio, por altura do dia da mãe, quando caiu uma espécie de nevão em Lisboa. Ou chuvadas apocalipticas que insistem em estragar a festa da minha criança mais nova há anos seguidos por volta do dia 26 de Maio. Ou os verões mornos sem gracinha nenhuma e com noites frias que temos tido recentemente. Ainda assim até eu já estou em rezas e danças para que o sol volte, mais não seja para tirar o ESTENDAL do meio da sala! Sou só eu que convivo com um ESTENDAL NO MEIO DA SALA? Irra ca nervos pá! E irra o caro colega que projectou este meu prédio e achou que um estendal raquitico num canto da cozinha seria suficiente, palmas para a sua brilhante versão moderna de uma marquise, mas a coisa queria-se maior! Quem não adora o cheirinho da roupa seca ao sol? Ó sol anda lá, volta! Estamos todos desejosos de ir para a rua, para a praia, para a esplanada! Churrascadas com os amigos com a tua benção e calor! Ah e por falar em churrascos e espetos e cenas a assar, AGORA, mais que nunca precisamos de ti, mais não seja para fazer Espeto de Sócrates, a ver se "aquele coisa" frita na sua própria lata! Sou só eu, pessoas, ou está tudo farto de estendais na sala e politicos do mais aldrabão, cara de lata (e de cu! desculpem lá os sensiveis!) que há? E é isto sol, à tua falta, estes escroques saem da sombra sem medo de chamuscar a sua cara de pau! Sou só eu, minha gente? E já é Páscoa! Que seja santa!

23.3.13

9 anos

Hoje faz 9 anos que deixei de fumar.
Decidi fazê-lo muito tempo antes de o conseguir fazer de facto.
Ouvi uma frase de uma amiga que me deu todo o alento.
"Se o Mário conseguiu toda a gente consegue!" referindo-se ao marido que fumou 3 maços por dia e conseguiu deixar de fumar.
Eram 22h, mais coisa menos coisa, quando fumei o meu último cigarro. À janela do meu quarto de solteira.
No dia a seguir peguei em todos os casacos e levei-os à lavandaria. Lavei toda a minha roupa com o detergente e o amaciador mais jeirosos que encontrei.
Mastiguei chicletes de morango (ainda existem?) durante algumas semanas.
Sofri, mas estava determinada.
De cada vez que me apetecia fumar um cigarro (isto é parvo, mas para mim foi absolutamente eficaz!) cheirava as golas e as mangas dos meus casacos ou das minhas camisolas e deliciava-me com o cheirinho a perfume.
Há lá coisa pior que o cheiro  a cigarro, nas mangas, nas golas, nos dedos? E em dias de chuva com a humidade do ar? Asqueroso e pestilento. E foi não querer cheirar assim o que mais me ajudou! Incrível!
Hoje passados 9 anos, posso dizer que consegui!
Tenho muito respeito por esta minha decisão, e ainda hoje me considero fumadora. Porquê? Porque acho que continuo a ser viciada. Quase que aposto que se fumasse um cigarro agora, rapidamente me iria apetecer outro e outro e poderia deitar tudo a perder.
Escolhi não fumar. E tenho respeitado isto todos os dias.
Ao inicio foi um sacrifício, chegava a sonhar com cigarros, sentia a privação da nicotina nas pontas dos dedos (será possível?).
Muito raramente, sonho que fumo. Arrependo-me tanto. Penso sempre: "Estraguei tudo!" Quando acordo é um alivio tão grande!
E nem vou estar para aqui debitar as vantagens para a saúde.Todos sabemos que faz mal!
Por isso, minha gente fumadora, pensem lá bem nessa vossa saúde! E se o Mário e a Julieta conseguiram, todos conseguem!
Bom fim de semana!

21.3.13

Pilinhas e afins


Pergunta de grande relevância e pertinência: 
Porque é que os quadros das bicicletas de "senhora" são inclinados? E porque é que os de "senhores" são a direito? Não tem a ver com saliências, presumo!
Ponho-me a pensar (à falta do que fazer, claro está) se fizer uma mega travagem após um pedalanço desenfreado e der aquele "salto-travão" e ficar de pé parece-me a mim que as saliências masculinas sofrerão mais num quadro a direito. Não vos parece? Estatísticas gente, necessito de estatísticas!

Não é que eu esteja sempre a pensar em pilinhas e afins, mas preocupo-me com o futuro da humanidade e com a crise que para aí vai, com tanta bicicleta a invadir a cidade, preocupo-me com essa metade tão importante da engrenagem da vida!

14.3.13

Dentes e sementes.


Desde miúda que é raro sentir fome. No sentido literal. Ou estou na boa ou já estou toda a tremer com ataques de hipoglicémia e mais não sei o quê e desmaio, ai que desmaio! Tragam-me comida! Ai eu, que me dá aqui uma coisa má!Uma cena gira, digna de directos na TVI, em que toda eu tremo, tenho suores frios, descabelo-me e só acalmo com comida, de substância, que a coisa só volta ao sitio se eu enfardar 4 carcaças, 5 litros de água, 3 “compais” de pêssego e mais uma barra de chocolate… OKAI estou a exagerar, mas ando lá perto! Enfardo, isso é certo!
Quando já estou à beira do desespero lá vou eu comer. A contragosto porque assim nunca vou conseguir emagrecer, caraças pá! Nunca me aguento sem tremeliques se não fizer refeições atrás de refeições… de substância!

Estou na loja uma tarde inteira. Durante horas, minutos, segundos, não se passa nada. Fosse Verão e ouvir-se-iam as moscas.
A loja continua um silêncio. Até eu pôr o primeiro pedaço de pão na boca! CLARO! LÓGICO! SÓ NÃO ME SAI O EUROMILHÕES! PONTARIA CERTEIRA!

Quando tenho a boca cheia de pão, que na gana, e cheia de fome, abocanho feita alarve, pão esse de sementes, sementes essas que à primeira ferradela colam-se aos dentes em efeito super cola 3, efeito esse que como todos sabem não descola, eis que entra uma clieeeeeeeeeente, em modo arraaaaaaaaaaaaaasto, boaaaaaaaa taaaaaaaaaaarde!

- Nhaam, nham! Bas tardes! Nham, nham!

É o desespero. Sacudo migalhas da camisola, engulo um pedaço de pão do tamanho de um punho fechado em milésimos de segundo, a minha língua passa freneticamente por todos os dentes numa inspeção desesperada em busca da semente perdida. Horror! Drama! Mulheres aos gritos! Uma filha da mãe de uma semente encontra-se alojada entre um canino e um daqueles dentes logo a seguir (sim eu podia ir ao Google saber o nome dos dentes mas quero que se lixe!) ENCRAVADA! Não sai! E eu vou ter que sorrir para a cliente! Bas tardes! Nham! Nham!

- Boa tarde? Vendem galões? E fitas? E dão aulas de costura? E fazem cortinados por medida? Os abatjours são vocês que os fazem ou não fazem de todo? Porquê? E Porque não? Ai sim? E diga-me lá isto, aquilo e o outro… mimimimimimi… blábláblá!

Eu com a semente entre dentes olho de frente a minha sorte. TUDO AO CONTRÁRIO! Podia ter entrado uma cliente! Okai, que podia! Podia ter entrado uma cliente pouco faladora! Okai podia! Podia ter entrado uma cliente sisuda, tou-nem-aí-pra-conversa-fiada! Okai, podia! Ou então não!

Não! Eu e a semente vamos ter que nos assumir perante a senhora faladora, conversadora, tagarela. E é com um grande sorriso e uma mega semente entre o canino e o dente do lado que digo: “Olá, boa tarde, posso ajudar?”

BURACO! Sai um buraco para eu me enfiar! A mulher fala e fala! Eu falo, mas de boca meio de lado, com o lábio superior descaído, entre a careta porque sim ou a careta porque sou parva! A semente, raios a partam!

A senhora sai da loja a achar que temos quotas para gente diminuída, tal a minha figura a falar sem mostrar os dentes, sem mostrar a semente, ou a fazer todo o tipo de esgar por forma a controlar a minha língua! Ó pessoas, digam-me lá, as línguas têm memória? São um ser à parte? É que se temos uma coisita nos dentes, as línguas não esquecem, podem ficar em ferida mas vão fazer tudo para retirar qualquer estranho que se aloje em algum cantinho da nossa boca, é ou não é? Fogo, pá!

Começo a sentir as pernas a tremer e lá vou eu abocanhar o meu pão de sementes… nham, nham, nham…

- Boaaaaaaaaaaaaa taaaaaaaaaaaaarde!

- Nham, nham… bas tardes!

E é assim que fico em frente a outra cliente: Sementes nos dentes, again, pernas tremeliques, again, uma fome de cão vadio, again, esgares e caretas, again…

Tenho que rever a hora do lanche! E à porta fechada que é por causa das coisas!

Nham, nham, té manhã, gente boa!

Hoje foi assim

Ufa! Já está! 
O mega evento correu bem. A nossa audiência foi rapidamente cativada e muito participativa. O Gil foi um excelente gestor de projecto e a equipa formada, de 17 arquitectas e arquitectos, obteve resultados muito acima dos esperados. O trabalho em equipa funciona sempre melhor e recomenda-se.
As fotografias mostram a nossa mesa de trabalho e o resultado final da jornada desta manhã.
Por questões de ordem técnica estas são as fotografias possíveis dos nossos arquitectos. No evento de hoje ainda vigorou a lei "a minha mãe é que manda portanto fotografias na net "NO WAY DUDES"!
Aos amigos do facebook agradeço muito as palavras de força para o dia de hoje. Talvez pensassem em voos mais altos quando as enviaram, mas atentem pessoas amigas, haverá melhor que participar na educação dos profissionais de amanhã?
Hoje foi um dia muito inspirado, e sobretudo muito inspirador.
E fica a promessa, daqui a uns anos talvez ainda vejamos a nossa torre a ser construída! Por agora é uma super maqueta de uma super torre feita por um grupo de super meninas e super meninos!

(haverá audiência mais difícil que um grupo escolar entre os 5 e os 6 anos? tremi gente, que tremi, ufa!)




Ontem foi assim

Estou em preparação para um mega evento que se vai realizar amanhã. Vou falar de arquitectura. Em frente a uma audiência. Vou ter que cativar, despertar o interesse e ainda tentar fazer um workshop do qual espero resultados fantásticos. A arquitecta que me habita anda um pouco adormecida e sem grande entusiasmo mas amanhã vai fazer despertar aquilo que um dia foi para si tão inspirador. Estou tão nervosa que até já falo em modo Jardel, na terceira pessoa. Voltarei com relatos e fotografias. Se até lá não me der o badagaio. Canervos, people!

12.3.13

Note to self: Sai um estalo!

Ver-me numa fotografia para a qual não fiz pose, APANHADA EM POSIÇÕES IMPRÓPRIAS, é o mesmo que levar 4 estaladas bem certeiras: "Ai comeu pãozinho? Muito pãozinho?" ESTALADÃO! "Gosta de massinha e copinhos de vinho?" SAEM MAIS DOIS ESTALOS PARA ESTA SENHORA! "Um geladinho de vez em quando?" BOFETADA! "Balda-se à ginástica?" VAI CORRER MALANDRA! Ai pessoas estou tão gorda... eu hei-de conseguir eu hei-de conseguir eu hei-de conseguir eu hei-de conseguir eu hei-de conseguir eu hei-de conseguir eu hei-de conseguir. Saem mais 2 chapadas para esta cara de bolacha, ó sasxavor!

5.3.13

Ai!

Rosarinho, a sensata! ou A mãe vai ter que te ensinar umas coisas ainda não sabe é bem como!

- O meu namorado, o João, anda a ser chato comigo…
- Porquê?

- Está sempre a dizer que já não quer casar comigo… belisca-me…

- Oh! E tu como te sentes com isso?
- Eu fico a olhar para ele, a pensar que nunca vi um miúdo a fazer uma coisa destas, tu já viste um miúdo assim, pai?

- Isso quer dizer que o que ele mais quer é casar contigo.

- Pois, então eu fico só a olhar e a pensar: “Onde é que já se viu uma coisa destas! Francamente!”

(Onde está a minha bebé?)

Mercês, a honesta! ou A mãe vai ter que te ensinar umas coisas ainda não sabe é bem como!
- Mercês, o que é que se passa? Porque é que estás a chorar?

- Estou a fazer uma birra!

E calou-se.

(Onde está a minha bebé?)
Gil, o contador de histórias mais distraído que já se viu! Ou A tua querida mulher vai ter que te ensinar umas coisas ainda não sabe é bem como!

21h e 45min, hora da história antes de deitar.
- blá, blá, blá, o lenhador perante a pobreza pensou: “vou abandonar os meus sete filhos na floresta…”

- Ó Gil, ó Gil ainda vão ter pesadelos!
- Ah, ah, ah! O que é queres? A história é assim!

(São ainda tão pequeninas para certas histórias, não são? Onde estão as minhas bebés?)

Parece que lhes vejo os olhinhos reluzentes por a história ser mais aterrorizante e nada própria para crianças tão pequenas antes de dormir, logo muito mais emocionante (GOD)! As crianças deliram com histórias que puxam ao drama… porquê?
De facto somos muito pezinhos de lã, as histórias da nossa altura eram verdadeiras cenas de terror aos olhos de crianças pequenas, mães que abandonam filhos (pobre Marco, parece que o oiço: “deixaste-me aqui, estou tão sozinho…”), pais que largam filhos na floresta, todo um rol de dramas de fazer chorar as pedras da calçada!

Entre "casamentos" e beliscões, birras e histórias melodramáticas, aos 5 e 2 (quase 3!) anos, o que posso esperar da adolescência? Se os trinta são os novos vinte, se os quarenta os novos trinta e por aí adiante, serão (HORROR) os 5 anos os novos, NA LOUCURA TOTAL, os novos 15?

Ai, que eu vou ter que aprender uma coisas só não sei ainda bem como!
Ai! Eu ainda não estou preparada... ONDE ESTÃO AS MINHAS BEbÈS? quem são estes ETs que me aterraram cá em casa?

Ai, que estão a crescer, agora é que vão ser elas, e ainda a procissão vai no adro! Ai!

1.3.13

Segredo


 
Quando uma mãe compra livros e os esconde das filhas, isso quer dizer que "ninguém é perfeito".
Segredo: eu compro livros infantis, lindos, e não partilho, por agora são só meus! Compro outros igualmente lindos para pequenas diabas, mas os meus são só meus! Velhaca? Ninguém é perfeito, estas e outras histórias num livro com ilustrações maravilhosas.
Nota: sim hei-de partilhar, sim... Qualquer dia destes...