14.3.13

Dentes e sementes.


Desde miúda que é raro sentir fome. No sentido literal. Ou estou na boa ou já estou toda a tremer com ataques de hipoglicémia e mais não sei o quê e desmaio, ai que desmaio! Tragam-me comida! Ai eu, que me dá aqui uma coisa má!Uma cena gira, digna de directos na TVI, em que toda eu tremo, tenho suores frios, descabelo-me e só acalmo com comida, de substância, que a coisa só volta ao sitio se eu enfardar 4 carcaças, 5 litros de água, 3 “compais” de pêssego e mais uma barra de chocolate… OKAI estou a exagerar, mas ando lá perto! Enfardo, isso é certo!
Quando já estou à beira do desespero lá vou eu comer. A contragosto porque assim nunca vou conseguir emagrecer, caraças pá! Nunca me aguento sem tremeliques se não fizer refeições atrás de refeições… de substância!

Estou na loja uma tarde inteira. Durante horas, minutos, segundos, não se passa nada. Fosse Verão e ouvir-se-iam as moscas.
A loja continua um silêncio. Até eu pôr o primeiro pedaço de pão na boca! CLARO! LÓGICO! SÓ NÃO ME SAI O EUROMILHÕES! PONTARIA CERTEIRA!

Quando tenho a boca cheia de pão, que na gana, e cheia de fome, abocanho feita alarve, pão esse de sementes, sementes essas que à primeira ferradela colam-se aos dentes em efeito super cola 3, efeito esse que como todos sabem não descola, eis que entra uma clieeeeeeeeeente, em modo arraaaaaaaaaaaaaasto, boaaaaaaaa taaaaaaaaaaarde!

- Nhaam, nham! Bas tardes! Nham, nham!

É o desespero. Sacudo migalhas da camisola, engulo um pedaço de pão do tamanho de um punho fechado em milésimos de segundo, a minha língua passa freneticamente por todos os dentes numa inspeção desesperada em busca da semente perdida. Horror! Drama! Mulheres aos gritos! Uma filha da mãe de uma semente encontra-se alojada entre um canino e um daqueles dentes logo a seguir (sim eu podia ir ao Google saber o nome dos dentes mas quero que se lixe!) ENCRAVADA! Não sai! E eu vou ter que sorrir para a cliente! Bas tardes! Nham! Nham!

- Boa tarde? Vendem galões? E fitas? E dão aulas de costura? E fazem cortinados por medida? Os abatjours são vocês que os fazem ou não fazem de todo? Porquê? E Porque não? Ai sim? E diga-me lá isto, aquilo e o outro… mimimimimimi… blábláblá!

Eu com a semente entre dentes olho de frente a minha sorte. TUDO AO CONTRÁRIO! Podia ter entrado uma cliente! Okai, que podia! Podia ter entrado uma cliente pouco faladora! Okai podia! Podia ter entrado uma cliente sisuda, tou-nem-aí-pra-conversa-fiada! Okai, podia! Ou então não!

Não! Eu e a semente vamos ter que nos assumir perante a senhora faladora, conversadora, tagarela. E é com um grande sorriso e uma mega semente entre o canino e o dente do lado que digo: “Olá, boa tarde, posso ajudar?”

BURACO! Sai um buraco para eu me enfiar! A mulher fala e fala! Eu falo, mas de boca meio de lado, com o lábio superior descaído, entre a careta porque sim ou a careta porque sou parva! A semente, raios a partam!

A senhora sai da loja a achar que temos quotas para gente diminuída, tal a minha figura a falar sem mostrar os dentes, sem mostrar a semente, ou a fazer todo o tipo de esgar por forma a controlar a minha língua! Ó pessoas, digam-me lá, as línguas têm memória? São um ser à parte? É que se temos uma coisita nos dentes, as línguas não esquecem, podem ficar em ferida mas vão fazer tudo para retirar qualquer estranho que se aloje em algum cantinho da nossa boca, é ou não é? Fogo, pá!

Começo a sentir as pernas a tremer e lá vou eu abocanhar o meu pão de sementes… nham, nham, nham…

- Boaaaaaaaaaaaaa taaaaaaaaaaaaarde!

- Nham, nham… bas tardes!

E é assim que fico em frente a outra cliente: Sementes nos dentes, again, pernas tremeliques, again, uma fome de cão vadio, again, esgares e caretas, again…

Tenho que rever a hora do lanche! E à porta fechada que é por causa das coisas!

Nham, nham, té manhã, gente boa!

3 comentários:

  1. ai o que eu me ri agora :D (ainda estou a passar a língua entre o canino e o outro a seguir)

    boa semana!

    ResponderEliminar
  2. Como é bom encontrar alguém que pensa como nós !!! Ri com gosto !!!

    ResponderEliminar