25.2.14

Você sabem, não sabem?

Há uns anos atrás fui à Bruxa lá para os lados da Malveira. Ainda hoje a oiço a arrotar e a debitar teorias sobre a minha vida profissional.

Eu sentada (e borradinha!) dizia-lhe que não queria saber nada de coisa nenhuma, apenas da minha vida profissional.

- Ó Julieta o que a traz aqui? Ai espere! ARROTO! ARROTO! ARROTO! aRRRRRRRoooooTo… BRRrrrrRRRLLLllllLL…

Eu, ali sentada ((e borradinha!), ouvi cada arroto com olhos esbugalhados. Na altura pensei: “Esbugalha os olhos Julieta, esbugalha-os bem… Ai! MEDO! Não te rias… a mulher está para aqui a arrotar mas tu não te vais rir… Julieta pela tua saúde E.L.A É B.U.X.A  ai porra pá B.R.U.X.A!”

-… aRRRRRRRoooooTo… arrOOOOOOOoooto… Julieee(AARRRROTOooo)ta… você está mal minha amiga…ArrOOOOOOOoooto! BRRrrrrRRRLLLllllLL…

Ainda pensei: “Você também não me parece bem… será vesícula? É que é sempre vesícula…quando não é nada… ou azia (OU VIROSE, mas eu ainda não era mãe, eu ainda não sabia nada de viroses!)…PÁRA DE PENSAR  JULIETA… E.L.A É B.U.X.A  ai porra pá B.R.U.X.A!”

- Você está pejada de mau olhado… você vai precisar de ovos, de velas, de…aRRRRRRRoooooTo… arrOOOOOOOoooto… Opá este é dos fortes!

- Ai o quê? Ai… (ai porra pá)! Es…errrrrrrrrrrrrr…te? Este quem? (borro-meeeeeeeee…)
Eu, ali sentada (e borradIssIMAAAAA!), comecei a ver a coisa preta… a senhora bruxa arrotou como se não houvesse amanhã e eu a cada arroto estremeci… este? ESTE quem?

Não preciso de vos dizer que no final quem arrotou fui eu…em EUROS… e não foram poucos! E ainda parti um ovo… CA VERGONHA!

Ora e porque me lembrei eu de Dona Bruxa (minha senhora com todo o respeito!) da Malveira?
Porque sou mãe. Porque sou mãe de duas crianças que nunca estão doentes. EXCEPTO…
EXCEPTO…

Se eu tiver que trabalhar. Se eu tiver um dia do caraças pela frente. Se eu estiver atulhada de tarefas. Você sabem, não sabem? Um dia com mais uma microscópica coisinhita de nada e PIMBA…
OU…

Se eu arrumar os remédios…Se eu pegar no Nurofen (ou qualquer outro semelhante a terminar em “fen”) ou no “Ben-u-ron” e enfiar com eles na caixa dos remédios lá no fundo do armário para não me estarem a ocupar espaço na bancada da cozinha… VOCÊS ACREDITAM QUE NEM 2 HORAS E TENHO UMA CRIANÇA FEBRIL? Oiçam isto! Nem 2 HORAS!

Minha senhora dos arrotos, bruxa da malveira, senhora dos além e aquém cenas transterrestres, eu não me ri… a senhora mandou arrotos atrás de arrotos e eu ali caladinha… sentadinha… portei-me tão bem… fui ao multibanco… acabei por também eu arrotar… FOMOS TÃO FELIZES NA TROCA DE BARULHOS DAS ENTRANHAS… ARROTEI e bem! Em euros… e parti o ovinho… e quase dei conta da paciência do Gil no dia em que tivemos que procurar um sitio para partir o ovo… CA VERGONHA! O HOMEM QUASE ME MATOU… MAS NAS DÚVIDAS… LÁ ME ACOMPANHOU… agora estou a rir… A.G.O.R.A! CA VERGONHA!

Porque raio agora este mau olhado? Será que este também é dos fortes? Errrrrrrrrrrr… este quem? Xispa…

Ai gente há coisas do caneco pá! É incrível…um dia mais agitado à vista… arrumos os remédios… PUMBA! VIROSE!

Este (seja lá quem este for! Errrrrrrrrrrr! xispa…) é dos fortes porque a virose (nunca passa “DA VIROSE”, Graças a Deus! Que sou agradecida!) é sempre tratada à base de colheradas intercaladas de  Nurofen-Ben-U-Ron! E ASSIM COMO CHEGA, lá vai ela…

Senhora Bruxa da Malveira quer-me parecer que depois disto o melhor é deixar as embalagens dos remédios alegremente na bancada só por causa das coisas… aRRRRRRRoooooTo… OK!
Ele há coisas pessoas!

(Ele quem? Errrrrrrrrrrrrr! M.E.D.O! ÚUUUUUUUUuuuuuuuUUUUUUUUuuuuu!)

Boa semana, gente!





19.2.14

No me gusta El carnaval!

Pessoas, qual é a mascara que acham mais horripilante para fantasiar criancinhas no carnaval?

Eu não tenho dúvidas: NOIVA!

Acho horrível, sobretudo porque na maioria dos casos não há noivo...
Acho triste, tristíssimo!

Ontem na loja dos chineses uma miudinha tentava esquivar-se à sorte marreca que a sua mãe lhe queria impingir, até que veio o pai da criança salvá-la:

- Aiiiiiiiiiii não teiiim rôpas de noiiiiiiiiiva! E ela agora diz que quer ir de princeeeeeeeeesa! Aiiiiiiii!

- Cala-tiiiiiiiiii! se quer ir de priiiincesaaaaaa, vai de priniiiicesaaaaaaa! Cala-tiiiiiii!

Abençoado pai que livrou a pobre da criança de ir de noiva. NOIVA! Cruz credo canhoto!

E agora estou eu também no início da Odisseia para preparar dois fatos de Carnaval (cena que eu não gosto mesmo nada! santa paciência!).

- Mercês queres ir mascarada de quê?

- Rei!

- Mas és menina!

- Então quero de Reia!

A Mercês vai então de Reia e a Rosarinho, muito adequadamente, e por sugestão de sua mãezinha, vai de pirata!

No me gusta El carnaval! Enfim!

Boa semana, gente!

14.2.14

Obrigada Universo!

Tenho andado lixada. Com este tempo, esta chuva, este frio, dias pequenos, coisas cá minhas.

Tenho andado lixada.

O Universo, no entanto quis fazer-me rir e conseguiu.

E foi bem-sucedido quando ontem uma mulher estacionou o carro e bloqueou o meu. Estive minutos intermináveis a apitar. No desespero começo a procurar o número da polícia. Estava por tudo! Ora a esperta apanhando-me distraída entra no carro de fininho e prepara-se para zarpar dali para fora quando eu dou pela esperteza.

Passada que estava, abro a minha janela, e começo a bater no vidro dela com toda a força. Ao mesmo tempo começo a ouvir um barulho zruuuuuuuum, ZRUM, zruuuuuuuum! Ai queres lá ver que é uma tarada que nem sabe conduzir?
zruuuuuuuum, ZRUM, zruuuuuuuum! Eu a bater no vidro com a fúria das enlouquecidas e o barulho zruuuuuuuum, ZRUM, zruuuuuuuum!
A madame lá abre o vidro e eu vá de educá-la: “Ao menos peça desculpa! É incrível e ainda por cima nem sabe conduzir…”

Começo a sentir uma pressão no pé e dou pelo barulho zruuuuuuuum, ZRUM, zruuuuuuuum! Era eu, a tosca, com o pé a fundo no acelerador tal a ira para lhe bater no vidro empoleirada na janela!

Ai desculpe e ronhónhó o meu neto e a ginástica e ronhonhó! Eu já nem queria saber. Eu sei que quando faço figuras me dá para rir e então fechei a janela, caladinha!

Obrigada Universo por essa risota já a caminho do colégio!

E obrigada por hoje na farmácia ter tido uma residente do Júlio de Matos a querer aviar a receita à força de encontrões e logo de seguida outro residente do Júlio de Matos empoleirado no meu braço, com um sorriso de orelha a orelha:

- Ó colega! Ó colega!

- Hã? Colega? Eu?

- Sim, colega, dá-me uma moeda!

De facto com este cabelo de alcatifa (sim, caiu loucamente em Novembro e agora nasce toda uma nova melena, uma alcatifa, na minha cabeça! Lá se foi qualquer vestígio do alisamento! Sorte marreca!), com vestígios de madeixas à La Celia Cabeleireiros aqui do bairro, só mesmo “colega” é que me assentava! E nem evitei a piadola para o farmacêutico: “Epá, mas vêm todos à mesma hora? Será que é depois da sesta?”

É isto, às vezes sou tão n.e.r.d., que me faço rir!

E obrigada Universo por me fazeres rir de mim neste dia tão piroso, tão piroso, tão Valentim e seus caracolinhos, na sua versão pequeno texugo do amor, e que eu metia, DE BOM GRADO!, numa daquelas cenas que usavam no “Roda o Palco” e rodava, rodava, rodava pequeno piroso lá dentro até fazer dele Valentim de seta no rabo, qual pescada!

Tenho andado lixada. Coisas cá minhas. Ainda assim, pessoas, daqui vos envio mega beijo piroso e vos desejo um bom fim-de-semana! Parece que vai haver sol!