28.11.12

Como concorrer a Lojista do ano no Bairro de Alvalade.

Vir todos os dias vestida à “Vai à Bica”, o “Porte-Moedas” encaixado e os braços traçados por de baixo das mamas. De preferência vir trabalhar em dias de mau trânsito intestinal, com isto mata-se dois coelhos de uma cajadada só, má cara e mau feitio!  E a barriga inchada para compor o ramalhete!
O cabelo é ao gosto do freguês mas todos os tons de amarelo alaranjado, seco que nem palha, domado à conta de muita laca, serão bem-vindos e apropriados.
Mãos de “Dona Olinda”, dedos curtos, sapudos, inchadinhos, e com unhas pintadas de bordeaux ó que raio é essa cor!
Ter muito muito frio. Andar sempre em modo abraçado a si mesmo, manter a marreca de frio imaculada, com a curvatura certa!
Fumar ajuda na vitória (só por isto já não ganho o estatuto de lojista à séria, porque deixei de fumar há muito tempo), ombros encostados à porta a ver quem passa e a mandar baforadas nos passantes. Certeiras, saídas de todos os poros!
Varrer o chão à frente da loja, vigorosamente. Varrer tudo e mal! No fundo é apenas afastar o lixo da porta da loja directamente para a berma da estrada! Em modo espanador!
Berrar bons dias a quem passa no outro lado rua, atenção a isto, nunca do mesmo lado da rua, sempre a pessoas a mais de prái 20m de distância. E para ser eleita a lojista do ano não há como berrar todos os acontecimentos do dia a quem passa, do outro lado da rua, a 20 metros de distância: “ Olha não sei o que COMIIII! Ontem foi horrívelllllle! Tá bem oh depois eu digo-lhe que tu já não vaisssssssssse, tá bem! Já fostessssssssss à dótora? Okaiiiiiiiiiii! Téeeeeeee logue!”
Falar qualquer língua. É um bairro cosmopolita e dinâmico culturalmente. Português, bem ou mal, fanhoso ou tinhoso, já dá para atender qualquer nacionalidade ou origem.
Ouvir música, alto e bom som. Seguir o exemplo do senhor da loja de material eléctrico que ouve uma rádio que só passa anúncios ou o seu concorrente directo da outra loja de material eléctrico que volta e meia põe fado aos gritos ou brinda os transeuntes com música instrumental originária da Índia.
Saber tudo, sobre tudo, sobre todos, se não souber, perguntar a quem sabe tudo, sobre tudo e sobre todos, partilhar conhecimentos sobre tudo e sobre todos. Ter olhos de falcão, ouvidos de tísico e ser mais rápido que uma bala são factores eliminatórios na arte de bem saber tudo! T.U.D.O!
Se é a categoria Mercearia - Lojista Feminina tratar as clientes por “Meu amor”, se é a categoria Cabeleireiro - Lojista Feminina tratar as clientes por “Minha Querida”, se é a categoria Loja de ferragens - Lojista Feminina não tratar a cliente por nada nem coisa nenhuma e dado a coincidência de vender martelos e brocas e nunca ninguém reclamar (porque será?) atender os clientes apenas e só quando se der um intervalo na novela vista à revelia do chefe no PersonalComputer de mil novecentos e noventa e cinco.
Continuava tarde fora, caras pessoas, mas tenho gente para atender!
Voltem sempre!

3 comentários:

  1. A tua loja fica numa zona animadissima e muito tipica :) é cada figura de presepio que avistas :D

    ResponderEliminar
  2. E pensar que deixei de viver em Alvalade por achar que era pouco animado e preferi algo mais típico no Alto Pina! Pronto, a casa era maior e tinha o café do sr. António a 3 passos, quase daria par ir de roupão, em caso de extrema necessidade!

    ResponderEliminar