19.11.13

Aquele momento.

Aquele momento em que a tua pantufa se enrola no tubo do aspirador e tu quase tropeças e na ânsia de agarrar a pantufa com o pé aquela puta de merda salta, tu enfias o pé no meio do emaranhado tubo-pantufa -gato vindo não sei de onde-tapete-aspirador, estatelas-te no chão, naquele momento em que, enfaixada no pavimento flutuante com os queixos no chão e a pantufa-puta-de-merda ali, mesmo ao pé do teu nariz. Sabem?

Aquele momento em que com o nariz a pingar imploras que te deixem estar por 5 minutos sossegada, e em vez de te deixarem sossegada a dominar a cascata que te jorra pelas narinas te pedem mil coisas: “Ó mãeeeeeeeeeeeeee! Ó julieeeeeeeeeeeeeeeeee!”E ainda te acusam de seres uma descompensada que por tudo e por nada gritas feito louca! Aquele pingo ali a pender das narinas, aquela comichão infernal entre a entrada do nariz e o mundo desconhecido por ali acima nas fossas nasais, um espirro eminente, aquela comichão… Ó mãeeeeeeeeeeeeee!... Ó julieeeeeeeeeeeeeeeeee!... aquele espiiiiiiiiiiiirrrrrrrrrTCHUUUUUM ATCHUUUUUUUUUUUUUUUM! PORRA PÁ. Ranho por todo o lado. Sabem?

Aquele momento, PELO QUAL NINGUÉM QUER PASSAR! ISTO DIGO-VOS EU! Em que sentadas na sanita, a fazer o que a natureza vos programou para fazer, percebem que a vossa filha de 6 anos abriu a janela, AQUELA JANELA COM O PUXADOR QUASE NO TECTO, AQUELA JANELA QUE JÁ TANTAS VEZES ESTUDADA VOS ÍA DAR MAIS UNS ANOS DE DESCANSO… AQUELA JANELA,  onde a vossa filha está agora debruçada a gritar e a chamar pelo pai, que da rua julga que eu estou por trás… E EU, ESTA QUE VOS FALA, está sentada na sanita, na retrete, no trono real, aos guinchos, enlouquecida e que sabe que decisões difíceis têm que ser tomadas e levanta-se, ASSIM MESMO (e esta parte fica à vossa imaginação, caras pessoas! Ó se fica!) e corre pela casa, aos berros, tresloucada, e salva a filha de se estatelar lá em baixo. Sabem? Isto nem queiram saber. É de endoidecer o Dalai Lama. Esqueçam esta!

Aquele momento em que cheias de fome, após estarem horas a cozinhar um pitéu, decidem provar o cozinhado e, LAMBONAS QUE SÃO, ABOCANHAM  a colher de pau e queimam a língua, e ANULAM qualquer hipótese de pelo menos nesse dia qualquer refeição vos saber bem ou na melhor das hipóteses tudo o que comerem nesse dia vos saber a cartão prensado. Sabem?

Aquele momento em que a senhora da Remax acredita piamente que a casa que estão a visitar está com fantasmas e começa a correr escada abaixo e já na rua com a chave encravada na fechadura do portão vos roga: “Não ME DEIXE AQUI sozinha!”. E vocês em vez de acalmar a senhora riem com ar de Beetle Juice. Sabem?

Eu sei.                                                                                                                                                       

E assim de repente, reparo em mim um pouco mais BeetleJuiciana.


Boa semana, minha boa gente. 


Sem comentários:

Enviar um comentário