25.9.12

Parabéns filha!

Há 5 anos eu tornei-me mãe!
Mãe de uma pessoa! Magricela, meio careca, refilona e com pouco apetite!
Em menos de nada eu soube: “Fuck, meus! Nunca mais nada será como dantes!
Em menos de nada eu soube: ”Quem é que quer que tudo volte a ser o que era depois de nos colocarem a nossa filha no colo?”
E nunca mais nada volta a ser o que era!
Ai o ranho, ai o cocó, ai o vomitado, ai as birras, ai a porra para isto tudo, quem disse que ía ser fácil? Mas o que é isso para nós?
O amor por uma filha é imune a tudo! Constrói-se, não acredito no amor à primeira vista por um filho. À primeira vista um filho é um E.T. que aterrou na nossa vida, que se apodera de cada pedacinho de nós, e nós, que ainda não sabemos, damos-lhe cada pedacinho exigido e inventamos todos os outros pedacinhos que sejam necessários, e assim cimentamos o maior amor de todos! E não há volta a dar, é o nosso maior amor!
Desde que sou mãe sou um espécime imune a questões mundanas de grande importância para gente estúpida, estou-me, cada vez mais nas tintas para uma série de merdinhas do dia-a-dia, do diz-que-disse, da opinião dos outros.
Epá! Só ninguém me preparou para essa temática de grande relevância que é o convívio com vizinhos. Não tenho grandes queixas relativas aos meus vizinhos, muito possivelmente é precisamente o contrário, sendo que há uma mulher latina em mim, que se faz ouvir, ó lá se faz!
Excepto, claro(!) se uma das idiotas das minhas vizinhas deixa cair as cuecas à saída do elevador e para ali ficarem, caídas, no patamar… Agora as hipóteses são 3, são do 3º Esquerdo? Do 3º frente? Ou miiiiiiiiiinhaaaaaaaaas? Porra pá! Isto é matemático, tirando a dona das cuecas, há mais 2 hipóteses e eu estou lá metida no meio, sem culpa.
Tudo estaria bem, se meu querido marido fosse um homem atento a questões como: A cor das cuecas da minha mulher é…! O modelo de cuecas da minha mulher é…! Apesar de já ter visto todas as minhas cuecas, de as ter estendido na corda a secar vezes sem conta, nunca atentou como deve ser! E então? Perguntam vocês?
E entãoooooooo que era escusado depararmo-nos com as cuecas da vizinha no patamar e ele ter gritado:
-Epá! Deixaste cair as cuecas? Sãooooooo tuas? Ah Ah Ah Ah!
Terror, medo! Aqueles segundos em que olhamos e pensamos mesmo, serão minhaaaaaaas? Drama! Olhar em volta e em pânico! E ufaaaaaaaaaa, não são minhas! (mas também, que raio, não estou a ver que percurso teria eu que fazer para me irem ali parar umas cuecas, mas isto com crianças nunca se sabe…)
E então, eis-me no patamar a partilhar “alto e bom som”: “Não sãoooooooo miiiiiiiiinhaaaaaaaaas! Na esperança que a vizinha a quem também não pertencem, e caso esteja a ouvir, fique apenas com uma hipótese e não me inclua a mim nas suas conclusões, de quem será a dona das cuecas!
Apesar de estar quase imune ao mundo, de ser mãe de 2 filhas, de ter sobrevivido a 2 estadias na maternidade com direito a tudo o que uma puérpera tem direito, de já quase não ter vergonhas de coisinhas, as cuecas da minha vizinha esparramadas no patamar ainda me fazem corar e pensar: Opá, caraças pá! Ainda vão pensar que são minhas!  
Isso e a minha filha de 2 anos achar que pensos diários dão óptimos autocolantes e colá-los nas portas!
Quem disse que era fácil?
Mas é tão bom!
Parabéns Rosarinho!

4 comentários:

  1. olá. estive aqui a ler alguns posts deste teu blogue, que não conhecia, e fizeste-me rir um bom bocado! foi um chorar a rir de post atrás de post. soube-me bem! parabéns pela tua escrita e parabéns pela tua filha.

    ResponderEliminar
  2. Muito bom!!! Parabéns, Rosarinho. (adoro o nome!!)

    ResponderEliminar
  3. Parabéns à Rosarinho!

    Ainda bem que ela ainda não sabe ler!!!

    Adoro o teu blog, beijinho!

    ResponderEliminar