16.11.12

A cabeça! Um pé! Mini meias! Fónix!

Então que aqui a vossa amiga lá foi fazer mais um dos seus trabalhos. Incluía visitar uma casa e tirar fotografias. Tudo bem.

Mal chego dizem-me que deve estar cá o “Dótor”. Ah, está bem, está muito bem. Apresentações feitas e TCHARAAAAAAAAAAM eu de volta aos anos 70. Uma casa que, excepto o pavimento, parou nos anos 70. Tudo bem. Eu até acho a maior das graças e sou mega fã de cenas dos seventies. Portanto habitat natural.

CORTAAAAAAAAAAAAA! Há sempre um qualquer encosto de claquete na mão pronto para me dirigir nas cenas que compõem de forma muito, M.U.i.T.O criativa a minha vida.
Então que se tratava de uma “Clinica”. Yá! De quê não sei, nem fiquei a saber. Era alternativa. Yá! Só a palavra alternativa já é um mundo de hipóteses. Fixe! Muita marquesa, muito cortinado de papel, hum... Tssss! Tsss!

- Vá lá, vá lá, esteja à sua vontade! Tire, tire todas as fotografias que quiser, entre, entre!
Embrenho pela casa adentro, sala, 1 gabinete, 2 gabinetes, casa de banho (tão seventies!) corredor, 3 gabinetes…

- Olá!

Hã? Estarei a ouvir vozes? Ai tu queres ver! Nus não please! Nus, não!

- Olá!

Viro-me e (Ai!) hã? Ah sim olá! Ups! Dou um saltinho para trás, rodopio, e começo a aguentar a gargalhada… a garga(hahahahahahahaha)lhada! Opá, eu não vou aguentarrrrrrrrrrrrrrrre! NÃO VOU, NÃO! Ah, Ah, o que é que esta cabeça faz numa caixa? Uma caixa meia resmenga para tratamentos, vapores, calculo, cenas alternativas, lá está!
Pessoas, uma cabeça de dentro de uma caixa estava-me a dizer olá! O.L.Á! Uma caixa e uma cabeça! Imagino que a senhora estivesse lá dentro em posição sentada, e simpática que era estava-me a dizer olá!
TERROR! Viro-me de repente e entro de rajada numa outra saleta e começo a reparar nos pormenores: MINI MEIAS de VIDRO, de H.O.M.E.M, PENDURADAS por toda a parte, como se tratava de um R/c todas as janelas com gradeamento, todas as janelas com mini meias penduradas a secar, mini meias de vidro, para Hómem, do Dótor, claro está! Fónix, meu! O que é tu curas aqui?

Depois tive que entrar onde estava a cabeça. Boa tarde! MEDO! Uma cabeça, assim, numa caixa, até tenho medo de olhar à volta! Vou só tirar uma fotografia, hã… não a vou “apanhar” nas fotos… outra caixa sem ninguém e a  cabeça faladora: “Isto é para quê?”  Eu, a manter a serenidade, a garga(hahahahahahahaha)lhada!  A aguentar as lágrimas que me ameaçavam as bochechas, porque quando começo a rir, dá choro! Dá histerismo! Ópá só me lembrava quando há uns anos li no jornal “O Incrível” (alguém se lembra? Eu sim, que sou demente!) o caso “Skippy”, que muito me” afectou” na altura, um miúdo que nasceu apenas com cabeça e um pé, assim só, um pé e uma cabeça, e a cabeça na caixa a insistir: “Isto é para quê?” Mini meias de vidro pretas por todo o lado… Skippy faz a sua vida normal, anda ao pé coxinho… eu com 14 anos, indignada com tamanha “sorte”: “coitadinhuuuuu!” A acreditar, sempre fui crente de coisas parvas, idiotas mesmo… uma cabeça e um pé! MINI MEIAS DE VIDRO… PRETAS… Fónix, é com cada cena!

- Isto é uma clínica de?

- Naturismo, acho.

Pois acho que talvez se tenha enganado na designação.

Adeus, ó cabeça. Não o disse, mas pensei. Oh Skippy ao menos podias ir ao pé coxinho! Adeus Dótor! Isto é lá maneiras de se atender os pacientes e quem aqui vem? Obrigada Dótor, pela boa disposição com que saí da sua clínica, de vapores e cenas (QUE CENAS? Fiquei sem saber!) onde não se pratica a privacidade, mas sim a partilha, bonito Dótor! Mini meias de vidro! Um mimo!

E convenhamos que não há pior que a visão de alguém com mini meias de vidro assim, esticadinhas, perna acima! Agora imaginem o Skippy, um pé e uma cabeça, com mini meias de vidro, pretas!

Bom fim de semana, pessoas queridas!

Sem comentários:

Enviar um comentário