27.6.13

Lixada com o Murphy.

Se eu estiver de trombas, com as piores calças que possuo, com a camisola que me faz parecer um balão, com 4 sacos de lixo do mais fedorento que há (quem me manda a mim ainda cortar cebolas, quem? Maldição!), com o cabelo assim a modos que desgovernado, branca de branca, tão branca que quase estou azul, a 3 terços do tempo para o buço crescer e ganhar o tamanho desejado para ser arrancado sem dó nem piedade, amarela azulada, porque me recuso a ir à praia desde que se me deu a pitiríase, com uns sapatos rasos que me aumentam o rabo 3 vezes e me acachapam uns bons 3cm (considerar que 3cm em qualquer metro e meio é muitíssimo, bué mesmo!) QUEREM APOSTAR que se eu entrar no elevador todo o universo vai conspirar contra mim e a vizinha do lado esquerdo vai aparecer? E que, apesar de todos os meus gestos acelerados para carregar no botão e as portas se fecharem deixando-a pendurada no patamar, ela vai mesmo conseguir entrar? Airosa e perfumada, magra de magra, alta de alta, e eu que, já acachapei mais outros 3cm, morderei o lábio e restar-me-á apenas a penosa descida aos infernos até ao R/c e ainda, PORQUE NUNCA FICAMOS SÓ POR ISTO… Não meus amigos! Nem teria graça se assim fosse, é que são barrigadas de riso! A boa da criatura, esbelta e espadaúda e comprida e magra de gira, ainda tem que ser educada e dizer um “passe, passe por favor” e todo o caminho do elevador até à porta da rua é feito ao som dos seus bonitos saltos altos e eu, à sua frente desejo ardentemente que um raio me fulmine ali mesmo? QUEREM APOSTAR? RAIOS MÉNES, RAIOS PRA ISTO!

(note to self: da próxima vez que comprar casa, farei uma prospecção de vizinhos!)

De onde é que saem estas mulheres, de onde? Fónix!

E, QUEREM APOSTAR, que se esta vossa amiga estiver a caminho de casa, vinda do ginásio, com passagem pelo supermercado no entretanto, no seu outfit muito próprio, com 5 sacos do supermercado, entrar no prédio, e for ver o correio e estiver com a cabeça lá enfiada a grunhir impropérios para os distribuidores de publicidade, totalmente descompensada, a dizer qualquer coisa entre “ai esta merda pá!” e “porra que filhos da mãe que me atafulham a caixa de merda” e ao tentar levantar-me me der a entrevadinha por causa do esforço no ginásio e ficar para ali a tentar endireitar-me, QUEREM APOSTAR, aparece a outra vizinha (QUE NESTE PRÉDIO O QUE NÃO FALTA SÃO BONS EXEMPLOS DESTA ESPÉCIE!) gira de gira, com um vestido esvoaçante, toda ela acabadinha de sair do banho, leve e perfumada? E que, valha-me a santa e o padroeiro, esta, ainda por cima, é simpática? A camela da mulher é simpática… raios pá, que as prefiro parvas, é mais fácil detestá-las… assim fico para ali com cara de marmelo a dizer “olá boa tarde… boa tarde… boa tarde…”

(note to self: eu vou correr tanto, mas tanto naquele maldito tapete, que a próxima grande compra pró ginásio será um top Jane Fonda!)

De onde é que saem estas mulheres, de onde? Fónix!

E nem vos vou falar outra vez da mãe boazuda do colégio, que agora está grávida, mas lá por isso não deixa o salto agulha e muito menos o vestido coleante em casa, não, não! E, sejamos justas, vendo bem está já mega grávida, alto barrigão, portanto deve estar na fase encalorada da gravidez, quase que nem me importo de me cruzar com ela e com o seu par de mamas desumano… não é inveja que também as tenho em grande, a diferença é que as dela estão estrategicamente colocadas a um angulo de 90graus em relação à barriga, assim espetadas, a ameaçar o salto vertiginoso para fora do decote. É toda uma cena… E pior, é impossível não olhar. IMPOSSÍVEL! Pior só encontrarmos a nossa chefe em topless na praia… nunca me aconteceu, nem tenho chefe, mas era de fugir! E claro que me cruzo com esta avantesma TODAS as manhãs, ou quase todas as manhãs sobretudo naquelas em que escolho um coordenado saco a fazer pendant como um apanhado molho de brócolos no alto do cocuruto!

(note to self: não olharei, não olharei, não olharei, não olharei não olharei, não olharei não olharei, não olharei não olharei, não olharei não olharei, não olharei para as mamas da senhora! Impossível… é o que vos digo… é toda uma cena!)

De onde é que saem estas mulheres, de onde? Fónix!

Agora imaginem isto tudo no mesmo dia! Dooooooooooose! DOSE!

É que eu não entendo onde arranjam tempo para estar impecáveis… onde? Gostava de saber, porque eu também queria dar o salto, o grito do Ipiranga e ser assim, gira de gira!

Hoje estou assim, fútil, fútil e lixada com o Murphy! Fónix! Vou masé por-me a cooooorrer! Fui gente, até amanhã!



1 comentário: