24.7.15

Exterminador implacável

Exterminador implacável

Há muitos anos atrás, no tempo das calças de cintura subida, camisolas de malha feitas à medida de mulheres balão e muita argola dourada ou de plástico colorido (pessoas, quem se lembra das argolas-brinco que vinham nos pacotes de batatas fritas? pré-histórico!), quando eu era a namorada recente do meu actual marido (há que apimentar a nossa história, se não é só uma cena boring de 24 anos juntos, qualquer coisa como desde sempre! e dito assim as pessoas acham-nos uns ganda malucos), fui convidada pela primeira vez a ir ao cinema.
Levada de mota para o Fonte Nova, assisti incrédula ao filme que se esperava, no mínimo romântico, e que tinha sido a escolha do Gil para a nossa primeira ida ao cinema juntos. Exterminador Implacável!
Sem comentários!

E isto tudo estava guardado nas minhas memórias, sendo assunto apenas recordado sempre que vamos ( ou íamos, há 2 filhas atrás) ao cinema e perdemos um tempo imenso a decidir que filme ver e que agrade aos dois... azeite e água... é mais ou menos isso!

Até ontem, pessoas, até ontem!

Munida de um Stop- piolhos, dois pentes de dentes finos e uma toalha branca, lembrei-me de ensinamentos shwarzenneguerianos e lancei-me nessa dura batalha de combate às bichesas capilaró-rastejante, encarnei o meu eu cyborg e enfrentei o piolhame que se apoderou das cabeças das minhas crianças!

Assim gordos e patudos, com antenas!
Um até tinha a barriga transparente e, acho, cheia de ovos de piolhos infantes!

Tás louca, pá! Piolhos grávidos?

Exterminador implacável e stop-piolhos!
A casa revirada do avesso!
Roupa toda para a máquina! Pilhas de roupa e piolhos, gordos e com antenas!

Ufa, o que vale é que é verão e seca tudo rápido... Éfe ó dê à é ase ésse é, chuva? Chuva, São Pedro? Em dia de combate a piolhos? A sério, meu? Éfe ó dê à é ase ésse é! Sim, fodasse, sem hífen e gutural! Meu, a sério?

Duas crianças, com loções exterminadoras até ao pescoço (de cima para baixo, tá bom de ver!), a ver se a coisa se dá e a grupeta da comichão infernal dá o baza!

Ó gente, assim gordos e com antenas, a rabear nas cabeça das riquezas de sua mãe! Gordos... arre porra!

E assim foi tudo a eito lá em casa, e agora são kilos de roupa por lavar e por secar e por dobrar e por arrumar!

Ó pessoas, não há um sitio ou cabeleireiro onde enfiam as cabeças dos miúdos nuns capacetes e exterminam de uma vez a piolhagem? Tenho ideia de ter visto qualquer coisa acerca disso.

Opá!

Bom fim de semana, pessoas!

P.S: Só espero que as outras mães sejam tão implacáveis como eu e o Arnold, e eliminem os parasitas del inferno capilar!

7 comentários:

  1. A sério que entre as argolas de plástico da Matutano (sim, eu também me lembro é pior - tive!) e os piolhos (gordos ou magros) juro que nem sei o que prefiro...
    Boa sorte!

    ResponderEliminar
  2. A sério que entre as argolas de plástico da Matutano (sim, eu também me lembro é pior - tive!) e os piolhos (gordos ou magros) juro que nem sei o que prefiro...
    Boa sorte!

    ResponderEliminar
  3. Vivo o inferno da piolhagem há mais de 10 anos, para me ver livre deles para sempre eu até andava 1 ano de argolas de plástico nas orelhas, juro que andava!

    ResponderEliminar
  4. Não quero ouvir falar desses bichos! O ano lectivo passado tivemos três infestações e só a última no bom tempo!!!
    E sim, eu também me lembro das argolas de plástico. E da roupa que aquele que é meu marido usava há 25 anos no dia em que começámos a namorar, mas eu não sou normal! :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh mas é fixolas lembrarmo-nos desses pormenores! Viva a falta de normalidade!

      Eliminar