22.1.13

É o bicho, é o bicho! Pássssss! Já “fostes”!

Eu podia ser uma boa empregada doméstica, e quem diz doméstica, diz  electricista ou canalizadora ou pintora ou trolha ou canteiro ou o que for. EXCEPTO…
EXCEPTO fiscal da emel. E.x.c.e.p.t.o FISCAL DA EMEL. EMEL!
Acho que posso definhar (cruz credo canhoto), mordo a língua 3 vezes, benzo-me, mas fiscal da EMEL jamais! “Jamé” em tempo algum!
Eu não os suporto. Eu odeio fiscais da EMEL. Tinhosos. Lesmas. Rastejantes da calçada portuguesa. Bufos. T.I.N.H.O.S.O.s!
E vocês perguntam: “Ah foste multada e tás ca`raiva? Isso passa!”
Não meus caros, não fui. Eu ponho moedas no parquímetro. O que fazer? Sou uma cidadã cumpridora. Ou então estaciono o carro a milhas e caminho rua fora, para poupar dinheiro.
Eu não gosto deles e delas porque, e a ver aqui pelos espécimes que deambulam todo o dia por Alvalade, engoliram um galo na formação para fiscais (bufos) onde pouco mais devem ter aprendido que saber ler o ticket que sai do parcómetro. Tipo (momento Pépa) 12am é diferente de 12 pm. Doutorados em tickets. ESPECTACULAR!
Gingão. Um caminhar lento. Mãos nos bolsos  e óculos escuros. Rato. Sempre à coca. Gira entre os carros. Pára diante de um carro. Olha em redor. Alça da crista. Fica em pose “Eu cá sou o fiscal da EMEL, cuidado gentinha, cuidado comigo! Eu cá sou um às a ler <tickês>. Estou de olho, people!”. Continua o seu caminho. Lança graçolas para a colega. Outra rata. De esgoto. Mais astuta. Sempre alerta. Mamas esticadas para fora a fazer par com o rabo entesado. A miss Sheila fardada de lesma da EMEL. Pose de pavoa. Nunca cede. Ar de má. Cabelo loiro pintado. Unhas arranjadas. Nem olha para os <tickês>. Demora-se à porta das lojas: “Eu vou a passar! Cuidado comigo. Tenho aqui um bloco. Cuidado com o meu bloco. Olhem para mim. Quantas queriam estar neste meu lugar de fiscal? Sou a maior lá do bairro. Cheguei longe. Carine Marise. Nunca pensaram pois não? Que seria possível? Quase doutora dos tickês!”. Riem-se muito um para o outro, em modo grunho, claro está, perante os cidadãos incautos:" Eh, eh (riem como se fossem cibernautas) eh, eh!". Grunhos!
E é quando aparece alguém esbaforido, a pedir clemência e pãezinhos quentes a estes dois tinhosos, que eu atinjo os pícaros da minha raiva EMELIANA. Aquele ar superior, aquela pose de “eu quero eu posso eu mando”… ODEIO-OS! A pessoa devia ter pago, não pagou, então vai ser multada. Ok. São as regras. Agora o que é absolutamente irritante é aquele ar de estrela cadente, aquele relinchar, aquele olhar altivo perante o pecador, o pequeno ser que não pagou. Quase que lhes vejo os corninhos e o rabinho pontiagudo. Diabos!
Um dia, eu vou ali à loja dos chineses, compro um “mata-moscas”, ponho-me à porta da loja, e de cada vez que passarem: Zuca na mona! Pás! Pássssssssssss! Tsssssssss! Até ardia! Ah isso é que era! Vou também à loja dos indianos compro um rádio a pilhas, que os têm lá bem jeitosos, e de cada vez que os vir a passar, guincharei: “Vá Iran Costa, cantaí meu chapa! É o bicho, é o bicho, voutxe dévoraaaaaaaaaaaaaaaaá!” No dia a seguir internam-me mas ninguém me tirará o gosto de ter acertado em cheio no bicho! Pás! Pássssssssssss! Tsssssssss! Até ardiiia! Páaaas em cheio na mona! Ah já “fostesssss”! Como diz a outra! Páaaaas! “Fostessse!”
Temos que aliviar o stress, não acham? Boa semana, gente!

6 comentários:

  1. Cá não há disso. Praise the lord.

    ResponderEliminar
  2. Uma vez bloquearam-me o carro. Eu não tinha dinheiro para pagar a multa, nem tinha dinheiro no telemóvel (pelintra...), começou a chover e o próximo multibanco estava a um km de distância- numa subida. Ah... eu eu estava grávida de 8 meses. Ok... comecei a chorar... e os bichos nada...

    ResponderEliminar
  3. Os chineses têm uns mata moscas tipo raquete que dão choque... bzzz... compra desses!

    ResponderEliminar
  4. ☺ vemos os mesmos bichos ☺ também ando por Alvalade, mas sempre a pé ;)

    ResponderEliminar
  5. Anita, terás então o (des)prazer de te cruzar com estas duas avantesmas! Circulam por aqui diariamente:D

    ResponderEliminar
  6. Em tempos vivi em Alvalade, S. João de Brito, pelos lado da Rio de Janeiro. Não tinha parquímetros até ao dia em que apareceram acompanhados do boato que teria sido o presidente da junta a pedi-los, por um dia não ter onde estacionar o carro dele... a verdade é que eles lá estão e eu mudei sem ter esclarecido o porquê de numa rua apenas residencial haver parquímetro.

    ResponderEliminar