21.1.14

Ando a desenvolver uma teoria. Tem a ver com puns.

Está uma multidão. Uma pessoa dá um pum. Ninguém se acusa. Pode ter sido qualquer um. No fundo não interessa quem. Todos os dão. E normalmente nem há grandes diferenças. Mais Pfffffffffff ou mais Brrrrrrrr. No final é um pum.

Há uns anos eu dei o maior pum da minha história. Tive uma testemunha. Pobre marido. Durou quase um minuto. A minha desculpa? Eu estava grávida. Podemos desenvolver várias subteorias. Não agora. Mas este foi o meu maior pum. Pobre marido.

O que ficou desse meu mega pum? A lembrança desse momento de glória. Nunca mais nenhum pum foi como aquele. Tornou-se um mito. Memorável. Quase um minuto. Um barulho ensurdecedor. Nós parados. Até onde pode ir um pum? Não é para todos. Foi tão original que será para sempre recordado. Acho que nem o Mr. Methane.

E estou para aqui a falar do meu super-mega-pum para quê?

Para debitar mais uma teoria sobre a falta de originalidade.

Ou seja, minha gente, caras pessoas, vão continuar a dar puns que se perdem na multidão, que podem ser de qualquer um, que não têm nenhuma identidade própria, ou vão dar "O" pum? Aquele que se for dado no mais ruidoso dos lugares, no meio da maior multidão, todos saberão: "Epá este pum só pode ser de sicrano!" e ouvir coisas como: "Não, estás enganado... ora atenta lá neste aroma... só pode ser de uma casta, é demasiado original. É de Beltrano!!"

É que eu de facto estou farta de Pffffff`s e Brrrrr`s iguais ao do vizinho.

Ó pessoas por favor sejam originais, inspirem-se nos outros, que é tão bom, mas não façam tudo igual, por favor, destaquem-se, vamos todos sair a ganhar! Não concordam?

Isto para dizer que eu acho um pum andar a misturar espinafres, bagas, adoçantes melosos, frutas e sabe-se lá mais o quê, chamar-lhe pequeno almoço saudável, enfiá-lo no frasco das azeitonas, tirar fotografias e partilhar! E eu até acho isto muito bem, o pior é que são mil a fazer isto.

Ou então a cena da costura. EU NÃO AGUENTO LETRAS DE TECIDO. PANOS E SAQUINHOS E MERDINHAS, TUDO IGUAL, TUDO IGUAL! Até os tecidos... isto é um Brrrrrrrrr!

E nem me falem em sessões de grávida, no meio do jardim, em Janeiro, um frio de rachar, e a barriga de fora... Não é a barriga. Eu adoro barrigas de grávida. É o despropósito da cena. Ninguém está sentado num retrato de família, tudo encasacado, e de repente uma trolaró com a barriga de fora... isto é um Pfffffffff!

E pleaaaaaaaaaaaaase, deixem a ardósia em casa...

Podiamos acrescentar milhares de linhas a esta lista. Milhares!

Gosto tanto de blogs...O pior é que eu já não sei o que é de quem. O pior é que eu perdi-me, e como eu tantos leitores, que também procuram originalidade, gente!

Posto isto, minhas caras e caros, Sicranas e Beltranos, Beltranas e Sicranos, se é para dar um pum, então GO FOR IT! Mas à séria. Que fique na memória! Que perdure na história! Que seja indissociável de vossemecês!!

Boa semana, gente! Com Brrrrr´s, mas de frio! E alguns Pffff`s, mas para esta chuvinha que estraga o mood ao pessoal!

GO FOR IT!


6 comentários:

  1. :D este podia bem ser o teu 1º post do "nosso" projecto… ou então não! :p pum para ti.

    ResponderEliminar
  2. ;) tu ainda és de casta original! pum para ti ;)

    ResponderEliminar
  3. "deixem a ardósia em casa" é top! os teus puns são top man!!!

    ResponderEliminar
  4. Concordo com cada linha e com cada descrição de puns e afins.
    às vezes penso em passar lá e dizer-lhes volta sicrana que estás perdoada, volta beltrana que te enganaram e se é asim que pensas ficar rica e conhecida, não estás no bom caminho. Depois penso melhor e... não quero saber, não tenho nada a ver com isso.
    Mas concordo contigo.

    ResponderEliminar
  5. ó pá a sério..o que eu me ri agora. Não só com a história do pum de 1 minuto, mas também, e principalmente, pela associação ;) muito bom! *

    ResponderEliminar