21.11.14

Diário de um ginásio, de uma marreca e de um disco que tem que tocar outra canção que esta já enjoa.

Então que desde Março decidi que alguma coisa tinha que mudar e que o prazo seria vitalício.
(Epá lá vem esta com a conversa da gorda que está e bláblábléu... pessoas, escolhi-vos. Estão aí, assim, mesmo à mão de semear... pensem, podia ser pior. Eu podia vir aqui dar-vos ensaboadelas esotéricas e frases de calendário com ursinhos... convenhamos era pior, não acham? assim sempre se podem juntar a mim e quem sabe, pessoas, fazermos a diferença?).
Continuando.
Estava anafada, gorda, inchada, uma texuga como nunca antes. Ainda não me esqueci da fotografia do antes, guardada para um dia vos mostrar e ilustrar aquilo que fui.
Decidi logo ali que não mais esta vossa amiga se ía pôr com dietas milagrosas. Yeeeeesterdaaaay`s goneeee! Todos sabemos como emagrecer 7 Kg num mês. Todos sabemos declarar a mesma guerra ao pão, à massa, ao arroz. Todos sabemos que se emborcarmos quilos de proteínas durante 30 dias a coisa dá-se.
Não era isso que eu queria. Yeeeeesterdaaaay`s goneeee!
Porque eu não quero ficar um saco mole. Uma banha a derreter. Cheia de peles suportadas por um interior de massas gordas só à espera de alento para voltarem a rejuvenescer. Um boneco Michelin, de encher, a quem tiraram o pipo e simplesmente esvaziou.
Não. Yeeeeesterdaaaay`s goneeee!
Assim como também não quero reduzir a minha essência a um prato sempre controlado ao milímetro e uma neura esfaimada de coisas boas. Já não vou para nova e a vida é demasiado curta para uma existência amarela e neurótica.

Isto era tudo muito bonito se eu não engordasse com o cheiro. Mas esse é um mal que me ataca à primeira snifadela de coisas boas. 1 Kg por mês só de cheirar. Acreditam?
Estou então decidida a provar a mim mesma que com cuidado, sem desvarios alimentares dignos de internamento urgente ou aspiradores na boca para sacar a comida ingerida à bruta, e muito exercício físico, eu vou conseguir encontrar o equilíbrio.
O equilíbrio. Don´t stop thinkiiiiing abouut tomorroooow!
Parece-me tão melhor que ficar magra demais e depois meio gorda e depois gorda e meia e depois deprimida e depois gorda outra vez, roda o palco, magra demais, sobretudo em Julho e depois meio anafada em Agosto, já naquela do quero lá saber até já estou bronzeada, e depois gorda até ao Natal e depois deprimida e chorosa no final do ano a jurar fechar a boca e ingerir apenas quilos de proteínas e depois inchada e depois magra e depois anafada e depois amarela e depois com cara de quem perdeu 10quilos mas ganhou 10 anos, e… roda o palco e o rabo gordo. Rabo gordo? Oh mon dieu de las banhas! E começa tudo outra vez.
Não. Yeeeeesterdaaaay`s goneeee!
Portanto tenho ido ao ginásio como nunca antes. Don´t stop thinkiiiiing abouut tomorroooow!
O grande desejo? Criar uma rotina de 4 vezes por semana. Já consegui 3 vezes e não vos digo o que isso tem feito ao meu humor.
A balança não tem sido minha amiga. Diz-me que estou muito mais pesada, como nunca antes, mas a roupa está mais larga. A história do músculo e da gordura… quero acreditar nisso, mas estes dias tenho tido muito mais apetite e está a ser mais difícil.
Ontem na aula dos infernos, em que me dei conta da marreca anafada em que me transformei pensei que teria um ataque de dores tal, que uma perna se me prendesse a meio de um exercício e eu ficasse num ângulo de 90 graus, empenada e sem me conseguir mexer, que teria que ser retirada em braços dali para fora.
Por mais que eu pense: “Vá Julie! Vá, pá! Vá lá!” Não dá! Don´t stop thinkiiiiing abouut tomorroooow!
Eu levanto uma perna, e outra, e outra, e outra e zuiiiiiing quase que me desequilibro e tento levantar mais uma vez e nada… nada… 2cm acima do chão, não dá mais… pareço marreca, desengonçada… todos aos saltos à minha volta e eu ali a tentar puxar um braço, uma perna e rodopiar e correr e fazer flexões e arfar e pensar ai qué desta, ai qué desta!
No outro dia estava eu de rabo para o ar a tentar fazer pranchas e uma perna à frente alternadamente, completamente esgotada, toda eu uma caso sério de cruzes, e quando dou por mim já toda a classe estava de pé a fazer outro exercício qualquer e eu ali, descabelada meio caída no chão a disfarçar uma prancha e foi um vê se te avias para me levantar de um salto sem mais cenas… tive outra vez 13 anos e uma borbulha gigante no meio da testa!
Estou nisto. Ninguém disse que ía ser fácil. Está mesmo a ser lixado. A lixa de grão grosso.
Don´t you look back!
Bom fim de semana, gente!


1 comentário: